Terceira semana do Advento, segunda-feira: Desistir

Um presente para pedir a Deus
Peço pelo dom de nunca ficar demasiadamente desencorajado pelas minhas faltas e falhas, pela graça de ser capaz de recomeçar quando tropeço ou caio.
Uma reflexão para o caminho
Tropeçar, ir ao chão, levantar-se e prosseguir pode não ser muito difícil da primeira ou da segunda vez, quando nos persuadimos de que com mais um empurrão, com mais um pouco de esforço, nunca mais voltaremos a cair. Mas cada um de nós tem tropeços - faltas e falhas - que acontecem uma e outra vez e de que parece que nunca nos vamos livrar.
É então que a tentação de desistir se faz sentir com a maior das intensidades. Se eu sei que vou cair, não importa o quanto eu lute para o evitar, porque hei de me incomodar com esse esforço? Se esta viagem para Deus parece, de onde me encontro hoje, como um labor duro e contínuo, porque não hei de escolher um caminho mais fácil. Outros parecem prosperar sem sequer se aproximarem do esforço que faço. Porque é que devo escolher ser diferente?
Uma chave para lidar com este tipo de situação é ter a confiança de que o que acontece hoje será provavelmente diferente amanhã. Com a providência de Deus, por muito que a estrada para Ele esteja aparentemente cortada, o caminho estará um pouco mais desanuviado amanhã.
Uma passagem bíblica para o caminho
Em certa ocasião, Pedro perguntou a Jesus o quanto devia perdoar, sugerindo que mais de sete vezes já seria prova de uma virtude heroica. A resposta de Jesus surpreendeu não só Pedro, mas todos os que o ouviam.
«Então, Pedro aproximou-se e perguntou-lhe: "Senhor, se o meu irmão me ofender, quantas vezes lhe deverei perdoar? Até sete vezes?" Jesus respondeu: "Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete".» (Mateus 18, 21-22)
Aqui vemos como se deve estar preparado para perdoar muito para além do que parece natural, ou até razoável. Mas esta passagem pode também mudar a minha perspetiva. Se Deus espera que eu chegue até este nível de perdão, é porque Ele me mostra uma generosidade igual. A verdade mais importante é que Deus nunca desiste de mim. É esta certeza que me oferece a segurança e a motivação para continuar a levantar-me quando caio e prosseguir o caminho.
Palavras para a viagem
Deus do perdão,
apesar dos meus pecados nunca desististe de mim,
e continuas a oferecer-me a tua mão.
Concede-me que eu possa perdoar assim
e nunca deixes que os obstáculos impeçam o meu caminho para ti.
P. Paul Nicholson
In
An Advent pilgrimage, KM Publishing
Trad.: SNPC
15.12.13

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência