Segunda semana do Advento, sexta-feira: Atalhos

Um presente para pedir a Deus
Peço o dom de ser capaz de desistir dos meus planos e projetos, sempre que Deus abrir diante de mim novos caminhos e desafios.
Uma reflexão para o caminho
Se alguma vez confiou num mapa ou GPS para o orientar numa viagem, saberá bem que a realidade pode ser muito diferente daquilo que estava à espera. Talvez o mapa estivesse desatualizado e tivessem sido construídas novas estradas ou rotundas. Ou talvez tenha entrado em caminhos e trilhos demasiado pequenos para serem mostrados. É possível que a informação do GPS já não correspondesse ao que encontrou no terreno. Seja qual for o motivo, este tipo de situação exige-lhe flexibilidade para se adaptar ao inesperado.
Às vezes isto pode tornar-se uma vantagem. As novas rotas podem oferecer-lhe um atalho que diminua minutos ou até horas à viagem. Qual costuma ser a sua reação? Arrisca entrar naquele que parece ser um atalho, mesmo que nem sempre se saiba claramente até onde vai ter? Ou mantém-se fiel ao seu plano original, recusando más surpresas?
A resposta será provavelmente decidida tanto pelo seu temperamento como pela confiança que tem no seu mapa ou nas capacidades de orientação. Alguns tomam naturalmente decisões arriscadas, abraçando a oportunidade de novos desafios. Outros são mais cautelosos, preferindo optar pelo seguro. Estas atitudes também se aplicam à nossa viagem para Deus. Se de repente Deus se lhe revela com oportunidades novas e imprevistas, como é que reage? Com medo ou entusiasmo?
Uma passagem bíblica para o caminho
Um jogo antigo convida os participantes a citar provérbios ou adágios contraditórios. Por exemplo, «quem espera, sempre alcança» com «quem muito espera, desespera»; «nunca se é velho demais para aprender» e «burro velho não aprende línguas». Por vezes o mesmo acontece aparentemente nas Escrituras, mesmo nas palavras de Jesus.
«Ninguém deita vinho novo em odres velhos; (...) Mas deve deitar-se vinho novo em odres novos. E ninguém, depois de ter bebido o velho, quer do novo, pois diz: "o velho é que é bom!"» (Lucas 5, 37-39)
A primeira parte deste excerto parece apelar à adaptação que é preciso realizar para integrar a mudança. A segunda parte sugere que muitos preferem deixar as coisas como estão. Mas neste narrativa está subjacente a ideia de que com a vinda de Jesus alguma coisa de novo tem de irromper no nosso mundo, e a continuação do que foi vivido até agora, por muito que seja desejada, já não é uma opção. Como é que reage a esta espécie de revolução da fé que Jesus parece preconizar aqui?
Palavras para a viagem
Deus das surpresas,
trata com carinho a parte de mim que prefere
o que já foi tentado e testado,
e estimula o que em mim gosta do desafio
com os novos caminhos do teu Espírito
que sopra onde quer.
P. Paul Nicholson
In
An Advent pilgrimage, KM Publishing
Trad.: SNPC
13.12.13

Comentários

Mensagens populares deste blogue

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência

Se eu fosse filmado secretamente...