Por um Natal sem crises

João Miguel Tavares, Público, 24/12/2013

As coisas mais importantes que temos nas nossas vidas são imunes a ratings e a aberturas de Telejornal. Por uma noite, são tudo aquilo que conta.

Calhando-me, pela primeira vez, escrever no PÚBLICO na véspera de Natal, pensei em deixar para quinta-feira a análise a mais um chumbo do Tribunal Constitucional e compor hoje um texto optimista e esperançoso, que falasse dos aspectos positivos desta crise. Mas estou um pouco hesitante: será que se pode?
Uma das consequências lamentáveis da crise é todo o discurso que a procura superar ser torpedeado pelos vigilantes da sensibilidade alheia, que com toda a facilidade classificam como "insensível" e de "mau gosto" qualquer desvio à narrativa oficial. A saber: nada de bom sai de uma crise, que apenas extrema as desigualdades sociais, empobrece o país e lança pessoas na miséria.
Tudo isto é verdade, mas não é toda a verdade. Só que o resto da verdade, aquele resto que não cabe no habitual muro das lamentações, fica em geral condenado a um território de não-dito. Porquê? Porque é um género de argumentação demasiado exposto à caricatura: se alguém disser que a crise ajuda a desinstalar-nos, a quebrar rotinas, a alterar as nossas prioridades, a dar respostas mais criativas aos problemas, a inovar, a um sentido de urgência, a exigir mais daqueles que nos governam, rapidamente será acusado de desejar a crise, de gostar dela, de nada fazer para a combater. Afinal, se é boa, por que não promovê-la? E mesmo que se diga que não, que não é isso, que a crise não é boa, que não é bom desejá-la nem promovê-la, que simplesmente ela tem aspectos positivos, que há oportunidades que vale a pena aproveitar, que a transformação do mero choradinho em programa político não nos leva a lugar algum; mesmo que se diga tudo isto, tal argumentação será sempre um alvo fácil de anátemas, do género: "Só um perigoso neoliberal sem quaisquer sentimentos poderá vislumbrar algo de bom no sofrimento das pessoas".
Como sair deste círculo vicioso, em que o queixume é uma inutilidade e a ausência do queixume uma insensibilidade? Como conseguir a suspensão dos tiques argumentativos, dos automatismos na forma de olhar para o mundo, do prazer das trincheiras, do nosso eterno desejo de caricaturar aqueles que pensam de modo diferente de nós? A resposta para estas perguntas não é fácil, sobretudo quando aquilo que está em causa é uma situação de crise aguda. A mera tentativa de promover essa superação através do diálogo e dos consensos é, aliás, frequentemente classificada como ingenuidade – porque a política é como é, e não vale a pena tentar alterá-la. Resultado: estamos emparedados entre a impossibilidade prática de as coisas continuarem assim e a impossibilidade cínica de elas serem de outra maneira.

Mas eu prometi um texto de Natal, e o bom do Natal é ser um tempo de paragem, uma suspensão das rotinas para nos centrarmos nas nossas famílias e nas pessoas que amamos. É como se todos os focos que incidem incansavelmente sobre o intenso burburinho político e mediático de repente se apagassem por uns dias, para dar lugar às pequenas luzes da árvore de Natal. E esse movimento em direcção à intimidade é também um movimento de regresso àquilo que de mais sólido possuímos, e que sentimos como mais necessário e valioso precisamente em alturas de maior sofrimento. Eis algo que só nos pode consolar: as coisas mais importantes que temos nas nossas vidas são imunes a ratings e a aberturas de Telejornal. E, por uma noite, são tudo aquilo que conta. Um feliz Natal para todos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Sou mãe de um forcado. E agora?