Catolicismo e Ortodoxia

No Domingo passado comentei a Declaração conjunta do Papa Francisco com o Patria... deste modo:
Desde o Grande Cisma do Oriente em 1054 que o Papa, Bispo de Roma e o Patriarca de Constantinopla não se encontravam. Verdadeiramente um passo histórico.
Amigo atento chamou-me a atenção para a incorrecção histórica.
Não obstante ser um acontecimento histórico não é verdade que se quebram mil anos (ou quase) de desencontros entre o Papa e o Patriarca de Constantinopla e ainda menos entre o Catolicismo e a Ortodoxia. A vantagem dos erros, de que deste peço desculpa, é que nos dão oportunidade de os corrigir e, para os corrigir, ficarmos a saber mais.
Quais são então os factos:
  • O Patriarca de Constantinopla actual é sucessor apostólico de Miguel Cerulário, um dos protagonistas dos acontecimentos que deram origem à excomunhão mútua das igreja latina e Bizantina.
  • A 4 de janeiro de 1964, o papa Paulo VI encontrou-se em Jerusalém com o Patriarca Ecuménico de Constantinopla, Patriarca Atenágoras. Ambos retiraram as excomunhões mútuas de 1054 e iniciaram um processo de aproximação que deu origem a esta declaração conjunta em 1965. Esta declaração, porém, não foi aceite por todos os bispos da Igreja Ortodoxa.
  • A Igreja Ortodoxa é uma comunhão de igrejas autocéfalas, herdeiras da cristandade do império bizantino que, tendo deixado de reconhecer a primazia de Roma com o cisma de 1054, atribuem um primado de honra ao Patriarca Ecuménico de Constantinopla. O Patriarca actual é Bartolomeu I e a sua sede é a Catedral de S. Jorge em Istambul, Turquia.
  • Ao tempo do cisma, a Igreja Bizantina reunia quatro Patriarcados antigos (Constantinopla, Alexandria, Antioquia e Jerusalém) e mais dois Patriarcados júniores (Bulgária e Geórgia).
  • O Papa Francisco encontrou-se em Cuba com o Patriarca Kiril, Patriarca de Moscovo.
  • A Rússia foi cristianizada na década de 860 dC. S. Cirilo e S. Metódio, co-patronos da Europa cuja festa se celebra a 14 de Fevereiro, foram decisivos na adaptação da fé à cultura eslava, tendo traduzido a Bíblia para o eslavo eclesiástico o que muito facilitou a conversão dos eslavos. Embora a sua área de missão coincidisse com a Grande Morávia (actualmente República Checa, Eslováquia, Hungria) e mais tarde com o Império Búlgaro (Bulgária e parte da Ucrânia) a sua acção influenciou todo o mundo eslavo.
  • No século X, o primeiro metropolita de Kiev, Miguel I é escolhido pelo Patriarca de Constantinopla. A sede da arquidiocese muda sucessivamente para Vladimir e depois para Moscovo em 1325.
  • Só em 1589 é que Constantinopla reconhece o metropolita de Moscovo como Patriarca. O Patriarcado de Moscovo junta-se assim ao conjunto de Patriarcados júniores que no séc. XIV tinha já sido aumentado com o Patriarcado da Sérvia.
Conclusão:
Não obstante a enorme importância e significado histórico do encontro do Papa Francisco com o Patriarca Kiril, é um erro grosseiro dizer que “desde 1054 o Papa e o Patriarca de Constantinopla não se encontravam”. 
Esse encontro aconteceu em 1964, em Jerusalém.
Outro ponto que torna as coisas mais complexas é que, enquanto há um chefe da Igreja Católica, não se pode dizer o mesmo da Igreja Ortodoxa. O Patriarca de Constantinopla tem um Primado cerimonial que não corresponde à sua influência, de facto, como provam as dificuldades na adesão à decoração de 1965.
O Patriarcado de Moscovo tem uma história mais recente, (550 anos) mas uma influência “de facto” mais significativa, dado representar cerca de 100 000 000 de fiéis na Rússia).
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos