O Caso do Natal

Vasco Mina

Estamos mergulhados em casos que tomam diariamente as nossas atenções e que até nos desviam das verdadeiras questões das nossas vidas. Mas há um caso que ocorreu há 2014 anos e que continua a ser um Mistério. Começa por não se saber se foi no ano que se considerou sendo o ano 0 ou se foi algum tempo antes ou depois. A data do facto relevante foi assumida como sendo 25 de Dezembro mas polémica não falta em torno deste dia. À época não existiam jornais nem televisões e a documentação disponível resume-se a uns escritos que ficaram conhecidos como Evangelhos (ainda para mais redigidos vários anos depois do acontecimento).
Segundo aqueles textos, o caso aconteceu quando Quirino era Governador da Síria e mandou, por decreto de César Augusto, recensear a população. Naquele tempo José e Maria (que estava para ser mãe) deslocaram-se a Belém (cidade da Judeia) e não tiveram lugar na hospedaria. Assim, recolheram-se numa gruta e aí Maria deu à luz o seu Filho Jesus que envolveu em panos e deitou numa manjedoura. Os pastores que andavam nos campos foram visitados por um Anjo que lhes disse o seguinte: "Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria para todo o povo: nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: encontrareis um Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado numa manjedoura". Foram até Belém e encontraram o que o Anjo lhes tinha anunciado. Os pastores, verdadeiros marginais naquele tempo (viviam à margem da sociedade ou, como diria o Papa Francisco, nas periferias), foram assim as primeiras testemunhas oculares do nascimento de Cristo Senhor e "passaram a palavra". Mas quem acredita nesta gente? Dias depois apareceram uns Magos (consta-se que seriam Reis) vindos do Oriente e ainda hoje não é muito claro como souberam e a informação de que teriam sido guiados por uma estrela não convence a muita gente.
Mas o que ainda mais impressiona é este Jesus ter dito que é Filho de Deus e por isso o seu Reino não ser deste Mundo. Ora um Rei não nasce numa manjedoura que é uma estrutura para alimentar gado. É verdade que Jesus também disse que era Ele o verdadeiro alimento e até nos deixou um ritual, a que hoje os cristão chamam de Sacramento da Eucaristia, para que todos recordassem o Pão da Vida. Depois foi envolto em panos como os mais pobres e não com vestes próprias e dignas de um poderoso, o que torna ainda mais misterioso tudo isto.
Ao longo da sua Vida pregou sobre o Amor e deixou-nos duas grandes recomendações a que chamou de Mandamentos: Amar ao Pai acima de todas as coisas e Amar ao próximo (seja ele quem for). Para Ele a Caridade é Amar Deus amando o seu próximo e o Amor a quem está ao nosso lado assume pleno sentido quando praticado por Amor a Deus. Foi julgado em tribunal sem que provas houvesse contra Si e foi condenado à Morte na Cruz. Nesta foi pendurado nu com uns panos à cintura. Também em panos foi envolto e colocado numa gruta. Ressuscitou ao terceiro dia e é o alimento espiritual de todos aqueles que acreditaram e acreditam na Sua Mensagem.
Um verdadeiro mistério que verdadeiramente se entende à luz da Fé, com Esperança e praticando a Caridade. São estas a "chave" para entendermos este Caso!
Santo Natal!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência