Neste Natal, adopte um Cristo!

P. GONÇALO PORTOCARRERO DE ALMADA
Voz da Verdade, 2014.12.21

É da doutrina católica que todos os fiéis são, de algum modo, outros Cristos, mas, sem querer plagiar George Orwell, a verdade é que, não obstante a igual dignidade de todos os fiéis e o seu também universal chamamento à santidade e ao apostolado na Igreja, alguns o são mais do que outros.
Pelo Baptismo adquire-se uma verdadeira e real configuração com Nosso Senhor, ou seja, uma autêntica participação na sua filiação divina. Contudo, o sacramento da ordem habilita o fiel para ser não apenas outro Cristo, mas o mesmo Cristo, na medida em que, por efeito dessa graça, adquire a capacidade de agir em nome de Jesus, isto é, como se fosse Ele próprio. Por isso, quando um presbítero consagra o pão e o vinho, transformando-os, respectivamente, no Corpo e Sangue de Deus, ou perdoa os pecados, proferindo a fórmula da absolvição sacramental, não o faz em seu nome pessoal, em cujo caso nada aconteceria, mas enquanto é, nesse acto, Cristo, a quem não só representa como também personaliza.
Na Igreja, entende-se o sacerdócio ministerial como uma especial presença de Cristo. Por razão dessa singularíssima representação, os sacerdotes entregam a Cristo o seu corpo e a sua alma, para que a humanidade deles, na modalidade que foi também assumida pelo Verbo na sua encarnação, continue a ser instrumento da missão salvífica. Por esta sua peculiar identificação com Cristo, que define a sua identidade sacerdotal, são também chamados a viver em celibato, como Aquele que foi e é perfeito Deus e perfeito homem. Mas o celibato não tem por que ser sinónimo de solidão.
Os leigos casados constituem um lar, mas os presbíteros católicos estão, por assim dizer, «casados» com a Igreja que, embora seja também familiar, não é contudo uma família em sentido estrito. Os sacerdotes que vivem em comunidade, numa ordem religiosa ou numa instituição similar, contam com a ajuda dos seus confrades, mas os que vivem sós não têm, não obstante a fraternidade sacerdotal do presbitério a que pertencem, quem os apoie, não apenas nalguma urgência de carácter grave e excepcional, mas sobretudo no que respeita às mais prosaicas necessidades do dia a dia.
Em tempos passados, era comum que uma irmã, ou familiar próxima do sacerdote, o acompanhasse com uma disponibilidade total. Hoje em dia, a grande maioria dos clérigos seculares carece de uma presença familiar que o possa amparar: uma dolorosa ausência que até é perceptível quando, pelo seu aspecto, indiciam algum desleixo pessoal. Nota-se que lhes falta um ambiente familiar que seja, sem lhes criar uma dependências excessiva, um espaço de amizade e descontracção; que não têm quem, com a devida descrição, os possa corrigir e ajudar; quem se interesse, sem intromissões abusivas, pela sua saúde e alimentação; quem zele, com solícita atenção, pela sua apresentação; quem lhes facilite, uma vez por outra, alguma diversão adequada à condição sacerdotal; quem dê um toque de alegria e de graça às suas casas, etc. Nota-se que lhes falta, em poucas palavras, uma família cristã!
É verdade que Jesus nasceu na maior pobreza e que, se o padre é, por força do seu baptismo e ordenação sacerdotal, o mesmo Cristo, deve reproduzir na sua vida a exigência da vida do divino Mestre. Mas a Jesus não lhe faltou, nem sequer nas tão penosas circunstâncias do seu nascimento, o consolo de uma família, pois pôde contar com a presença varonil de São José e a ternura feminina de Nossa Senhora.
Para este Natal, vou pedir ao Menino Jesus um presente especial: que haja muitas famílias cristãs que O queiram adoptar, na pessoa de algum padre que esteja humanamente mais só.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?