A virtude do ódio

 Público 

17/12/2014 - 05:39

Morreram mais de 120 pessoas, a maioria das quais crianças. Não podemos imaginar a agonia dos familiares. Mas é neles que devemos pensar.

Há por aí grupos de pessoas que acham bem assassinar outras pessoas. A causa é tão irrelevante como é claro o mandamento: não matarás.
O ódio, por muito politicamente incorrecto que seja, é a única reacção ante quem assassina crianças. Um dos chefes dos assassinos explicou: "O Exército [paquistanês] ataca as nossas famílias. Queríamos que eles sentissem a nossa dor."
Claro que as famílias dos assassinados não vão sentir a dor dos assassinos. A dor dos assassinos é aliviada pelos assassinatos. As famílias vão sentir apenas o ódio. O que não podem sentir é o desprezo pela vida humana que torna possível massacrar aleatoriamente seres humanos.
O chefe dos assassinos disse que "tinha dado ordens específicas para não fazerem mal a menores". Pois claro. Os assassinos que eles mandaram devem ter desobedecido. Mandaram-se bombistas suicidas para uma escola de crianças e adolescentes e só depois de terem entrado na escola ("Com sucesso", disse orgulhosamente um dos chefes) é que deram ordens para não fazerem mal a menores. Só faltou revelar que tinham dado instruções para detonarem as bombas só no meio de maiores de 18 anos.
Morreram mais de 120 pessoas, a maioria das quais crianças. Não podemos imaginar a agonia dos familiares. Mas é neles que devemos pensar. São os únicos a quem é permitido o verdadeiro ódio: o ódio de quem perdeu pessoas amadas por causa de selvagens assassinos que não sabem o que é o amor, a vida ou Deus.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência

Se eu fosse filmado secretamente...