Natalidade, Maternidade e Paternidade

Isilda Pegado
Voz da Verdade, 2012-03-11

Esta nossa sociedade ocidental está hoje envolta num problema civilizacional que tem gerado grandes debates e poucas soluções. É a taxa de Natalidade. Não nascem crianças e a Sociedade não se mantém, mas antes definha a ritmos acelerados.
Em Portugal nos últimos anos nasceram umas vezes menos e outras sensivelmente 100.000 crianças por ano. A taxa de natalidade é de 1,2% com tendência para baixar.
Discutem-se subsídios, conciliação família-trabalho, papel da mulher, igualdade de género, educação dos filhos, etc., etc.
Muitas são as questões, e as soluções plausíveis para uma questão tão complexa como esta – “o que determina que os homens e mulheres tenham mais filhos?” Mas não há “a solução”.
Atenta a especificidade do papel próprio do pai e o papel própria da mãe há que reconhecer o especial peso que a decisão da mulher tem nesta matéria. A qual não se faz por si só. Ela resulta em larga medida da conjugação necessária com o papel e vontade do homem/pai.
No passado mês de Fevereiro, a convite do Presidente da República, assistimos ao Colóquio “Nascer em Portugal” que trouxe a Cascais vários especialistas estrangeiros e onde estiveram académicos portugueses. Portugal foi reconhecido como um caso atípico porque as mulheres portuguesas são das mais férteis [mais de 95% têm filhos (1)], o nível de apoios à maternidade previstos na lei está na média europeia e no entanto, Portugal é o País da União Europeia com mais baixa taxa de Natalidade (a par da Bósnia). Também se reconhece que não é a atirar dinheiro “para cima” do problema que a questão se resolve. Precisamos de uma nova mentalidade.
Quanto a nós, falta pôr o “dedo na ferida”. Há dois vectores principais que nos últimos anos “dizimaram” o País.
O primeiro – As leis da Família. Nos últimos 6 anos – foram seis leis. Aprovou-se a lei do divórcio unilateral, que tornou o casamento um acto irrelevante, à mercê de comportamentos irresponsáveis e descartável.
Aprovou-se a lei do aborto gratuito e subsidiado.
Aprovou-se a lei da Reprodução Artificial e dos embriões excedentários, onde um filho pode ser produto de uma técnica.
Aprovou-se o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo, e a lei da mudança de sexo, por opção.
Aprovou-se a lei da Educação Sexual em meio escolar com carga ideológica que ilusoriamente isenta de responsabilidades.
A Lei informa e forma a mentalidade social. Pode pedir-se a uma mulher que tenha mais do que um filho, quando, não tem segurança na relação que sustenta a sua família?
Em segundo lugar – A educação. Ter filhos é um acto que exige responsabilidade, abnegação, partilha, risco, entrega e Amor, muito Amor. Amor no seu sentido mais pleno de “Caritas”. Exige este Amor pleno, com entrega do próprio eu, com entrega de si numa relação de Beleza que só o reconhecimento de um Ser Superior pode dar. Uma educação hedonista e relativista não aponta para aqueles valores. Uma educação baseada apenas na “cidadania” não gera esta explosão de Amor (Caritas).
Mas o Estado não é confessional, não educa para a relação com Deus. Só uma educação para o homem pleno (corpo e alma) é capaz de gerar aquela nova mentalidade que promove a entrega de mulheres e homens a esta nobre, vertiginosa, arriscada, bela e gratificante aventura, que é ter filhos.
Por isso o Estado, se quer mesmo salvar a Civilização, e a sua sustentabilidade, tem de reconhecer que precisa de quem verdadeiramente eduque o ser humano. O Estado precisa de apostar nas Famílias e, de reconhecer que só com a Liberdade de Educação podem surgir mais projectos (escolas) para uma educação mais apta a esta tarefa social.
As mulheres portuguesas não são máquinas (reprodutoras) ao serviço de um qualquer valor estatístico, sociológico ou outro. Mas, mulheres e homens numa sociedade estruturada a partir da Família baseada nos laços de sangue e no casamento entre um homem e uma mulher, hão-de encontrar a alegria, o amor e a esperança que cada vida, cada filho, contêm em si.

Isilda Pegado
Presidente Federação Portuguesa pela Vida

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?