Falta de fé

O mal do nosso tempo.
Particularmente visível e sentido em Portugal (país de fé e da fé).
Ninguém tem firme opinião sobre nada e menos sobre a evidência da verdade.
Ninguém acredita com absoluta confiança.
Só há dúvidas.
Não são metódicas.
Sobram dúvidas.
Sobre o que fomos.
Sobre o que fizemos.
Sobre o que somos.
Bom é o outro.
Boa é a outra coisa.
Mas não pode ser.
Esta abstinência da verdade, esta crise de dúvidas é um fenómeno doentio e mata-nos.
É vírus relativamente recente (revolução francesa de 1789), implanta-se e cresce nos movimentos ditos liberais, apodrece na política - partidária - parlamentar e sindical de natureza conflitual moderna.
Viver é acreditar.
Hoje em dia, viver em Portugal é uma falácia e uma ilusão.
Os postulados do cientismo relativista tecno-liberal que nos (des) governa são um cadáver adiado.
Que já não procria senão porque é política e corporativamente assistido.
A moral e a ética são um objecto inanimado.
Falta esperança.
Nem há primado da razão: há egoísmos à solta.
Estribados em falsos estribilhos emocional – intuitivos.
O contexto social é coloquial e técnico.
Falta verdadeira caridade e sobra a má fé das pessoas e dos grupos.
O Estado, os partidos, os sindicatos agem intencionalmente com o interesse de prejudicar alguém a troco do favorecimento de outro.
Portugal é propaganda enganosa e um contrato social ignóbil.
Ninguém cumpre o seu dever.
Não há gente a querer ser honrada.
É tudo a safar-se.
Os funcionários já não acreditam.
Já nada parece valer a pena: não há autenticidade, verdade ou legitimidade dos actos públicos.
Não há autoridade, há fotocópias e passagem de certidões.
Não há segurança, há cálculo de probabilidades.
Há idolatria.
Não há compromisso, há “safanço”.
Não há piedade, nem fidelidade, há estatística religiosa e bancos de igreja.
Não há Deus, mas mini-deuses.
Não há pessoas, mas cartões de cidadão.
Não há o SER, mas a coisa.
Não há virtude, mas vício.
Não há obediência, mas irresolução.

O dinheiro começou a faltar e veio tudo a baixo.

Miguel Alvim
Advogado

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência