PALAVRAS AOS AMIGOS

Discurso de D. António dos Reis Rodrigues na apresentação dos seus livros sobre Doutrina Social da Igreja
Universidade Católica
080714

Começo por manifestar a minha profunda gratidão ao Senhor Reitor desta Universidade Católica pela extrema gentileza com que acaba de se referir àquilo que, na sua opinião, eu sou e por outro lado valho pelas coisas que escrevi, algumas das quais são agora reeditadas pela primeira vez, graças às edições Principia e muito particularmente ao Senhor Dr. Henrique Mota. A Vossa Excelência, Senhor Reitor, manifesto a minha gratidão, que não é só de agora, mas tem sido confirmada com as inumeráveis gentilezas que lhe devo, como esta de hoje, que muito me comove. E ao Dr. Henrique Mota agradeço também a sua iniciativa, que nasceu de uma velha amizade que não tem preço. Ao Senhor Reitor e ao Dr. Henrique Mota a minha gratidão.
E permitam que acrescente mais duas palavras.
Um dia, quando Jesus iniciou a sua pregação, encontravam-se a ouvi-lo dois discípulos que O haviam seguido. E o Senhor voltou-Se e, notando que eles O não largavam, perguntou-lhes: “Que pretendeis?” E eles responderam: “Mestre, onde é que moras?” Jesus respondeu-lhes. “Vinde e vereis”. Os discípulos seguiram-nO e viram aonde onde Aquele com quem falavam residia. Ficaram com ele nessa tarde e, desde então, para o futuro.
André era um dos que O seguiram. Encontrou primeiro o seu irmão Simão e disse-lhe: “Encontrámos o Messias”. Levou-o até Jesus, o qual, fixando nele o seu olhar, declarou: “Tu és Simão, o filho de João. Hás-de chamar-te Cefas”, que significa Pedro. Este Simão, este Cefas, veio a ser o primeiro Papa.
Estavam assim encontrados os dois primeiros discípulos. Outros, pouco a pouco, vieram, até constituírem os doze Apóstolos, chamando-se uns aos outros, com este simples convite, que era para qualquer um deles uma aventura: “Vinde e vereis”. E com estas palavras nasceu a Igreja.
Foi este chamamento que, à distância de tantos anos, eu também, surpreendentemente, ouvi: “Vem e verás!” Larguei o que tinha e, sem nada, apresentei-me no Seminário e, depois, servi onde o meu Prelado, os senhores Cardeal Cerejeira e depois o Cardeal António Ribeiro, que lembro todos os dias, tinham necessidade da minha presença. Anos depois, com estranheza minha, fui Bispo, onde continuei a servir a Igreja. E hoje, com noventa anos, continuo a servir a Igreja, como penso que sempre a servi, com as graças que Jesus me tem dado ao longo de uma vida inteira, deixando de lado os meus pecados e a triste consequência da miséria que nasce deles.
Foge-me o tempo e muito apreciaria, agora que já não sirvo para o ministério, publicar mais algumas páginas, a somar às que já foram tornadas públicas. O que não fiz na minha vida activa seria compensado com o trabalho que eu ainda poderia ter. Mas todos os dias me vem faltando a saúde e penso, a cada momento, que me aproximo da morte. “A terra produz por si, primeiro o caule, depois a espiga e, finalmente, o trigo perfeito na espiga. E, quando o fruto amadurece, logo ele lhe mete a foice, porque chegou o tempo da ceifa” (Mc. 4, 28-29).
Que posso mais dizer? O meu espírito abre-se de novo ao futuro, mas o futuro a Deus pertence. Talvez Deus tenha para mim algumas páginas ainda por escrever, apesar do peso dos anos que vou tendo.
Muito obrigado!


Comentários

Anónimo disse…
O artigo de D. António dos Reis Rodrigues é comovente pela sua fé, simplicidade e humildade. São testemunhos como este que nos fazem ter mais esperança e nos convencem mais de que Deus existe.

Mensagens populares deste blogue

Tentar perceber

Uma companhia criativa

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates