Estado

POVO 1.5.16 
"O Estado que providenciaria tudo, absorvendo tudo em si mesmo, tornar-se-ia, em última análise, numa burocracia incapaz de garantir aquilo que verdadeiramente a pessoa sofredora - todas as pessoas - precisa: nomeadamente, atenção pessoal amorosa. Não precisamos de um Estado que regula e controla tudo, mas de um Estado que, de acordo com o princípio da subsidariedade, reconhece e acolhe generosamente as iniciativas que nascem de diferentes forças sociais e as combina espontaneamente com proximidade àqueles que delas precisam. A Igreja é uma dessas forças vivas. 
― Papa Bento XVI, Carta Encíclica Deus é Amor

O papel do Estado é a questão crucial que está por trás da tensão em torno dos contratos de associação. De facto, é aqui a grande clivagem entre uma concepção estatizada da sociedade e uma concepção mais liberal da sociedade. 
Os artigos -  No princípio era o Estado de Francisco Mendes Correia e Estado, Estado, Estado  de José Antóno Saraiva são uma boa ajuda.


Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos