Esquecer o nome dos bois

Raquel Abecasis
RR online 21 Abr, 2016

Chamar gestação de substituição às barrigas de aluguer faz parte de uma estratégia em que a semântica tem um papel determinante.

O Parlamento está a tentar legislar sobre a gestação de substituição.
Gestação de substituição? O que é isso? Não sabe?
Eu explico: é aquilo que é vulgarmente conhecido por barrigas de aluguer.
Mas então, pergunta-se: porquê dar um nome complicado a uma coisa que tem uma designação simples?
Faz parte de uma estratégia em que a questão semântica tem um papel determinante, ao ponto de chegamos ao ridículo de ter um ministro a embarcar na proposta do Bloco de Esquerda de alterar a designação de Cartão de Cidadão para Cartão de Cidadania. É que as mulheres estavam ofendidas porque cidadão é masculino.
É ridículo, mas não inocente, porque não há nada que melhor defina o que as coisas são do que a forma como falamos delas e a nova linguagem que nos está a ser imposta em nome de uma alegada conquista de direitos tem por objectivo aligeirar o vocabulário para descansar as consciências e introduzir na realidade o que é antinatural ou mesmo violento, de uma forma “soft”.
É por isso que o que parece apenas ridículo tem consequências irreversíveis para a sociedade e é por isso que é grave que nos últimos anos todos tenhamos embarcado no truque de chamar:
• Interrupção voluntária da gravidez ao aborto;
• Morte digna à eutanásia;
• Maternidade de substituição às barrigas de aluguer;
• Direitos humanos a acções que desrespeitam a vida humana;
• E género ao que dantes era sexo feminino e sexo masculino.
E assim, branqueando a realidade, vamos aliviando as nossas consciências, deixando de chamar o nome aos bois.
Com o passar do tempo, já não conhecemos os nomes, nem sabemos o que são bois.
Acabo, portanto, como comecei: o Parlamento está a tentar legislar sobre a gestação de substituição. Em português corrente, isto quer dizer que os deputados vão votar um projecto que pretende legalizar as barrigas de aluguer.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”