“Livrai-nos do mal”

Isabel Stilwell, online 2015.11.28
O pai-nosso foi censurado nos cinemas do Reino Unido. O que se passa nesta Europa, tão tolerante para com todos, mas que não suporta as manifestações da religião fundadora da sua cultura?
1. O anúncio é simples: um conjunto de pessoas de diferentes profissões, de um agricultor a um polícia, passando por estudantes e sem deixar de fora um refugiado, dizem, cada um à vez, uma frase do pai-nosso, até ao ámen que fecha a oração mais emblemática do cristianismo. Num último plano surge no ecrã a frase “A Oração é para todos”. O filme dura 60 segundos. (Se puder, veja: “Justpray oficial video”, no YouTube.)
2. É assim a publicidade ao novo site de oração da Igreja de Inglaterra, destinada a passar no cinema, nos minutos que antecedem o novo “Guerra das Estrelas”. Contudo, as três cadeias que controlam 80% das salas recusaram-se a passá-la, por consideraram que “podia ser perturbador ou tido como ofensivo por algumas pessoas na assistência”. O que, a ser verdade, tornava ainda mais pertinente que recitassem o “Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”. 
3. A reacção da Igreja de Inglaterra não se fez esperar: “Seria apenas disparatado, se não se tratasse de uma grave ofensa à liberdade de expressão”, disse o arcebispo de Cantuária, secundado pela opinião pública de todos os quadrantes. Pressionada, a Digital Cinema Media respondeu que quando o assunto é política ou religião, a política da casa é a neutralidade, porque só assim garantem uma igualdade de tratamento para todos. E em jeito de desculpa acrescentaram que “o cinema é para os clientes se entreterem, sem se terem de preocupar com coisas que são controversas” (sic). 
4. As vozes de protesto chegam de todos os quadrantes, ao menos isso. O que se passa nesta Europa tão tolerante para com todos, mas que não suporta as manifestações da religião fundadora da sua cultura? Mesmo sob a forma de um anúncio pago? 
5. Causa alarme este constante renegar das nossas raízes, o culto da ignorância daquelas que são as traves-mestras sobre as quais se foi construindo o pensamento europeu, a grelha de valores que nos define. Mas quando o politicamente correcto chega ao ponto de se ter medo de que um pai-nosso, exibido entre um anúncio da coca-cola e outro de hambúrgueres, possa “ofender” alguém, e amedronta uma reacção de protesto, estamos a aceitar um processo de amnésia colectiva que deve repugnar a todos, crentes ou não crentes. Porque, afinal, corresponde a renegar a nossa história e o nosso passado, deixando em seu lugar um vazio, um sentimento de orfandade, mesmo que mais ou menos inconsciente. Depois admiramo-nos que os mais novos busquem a sua identidade em fanatismos... Afinal, nós não temos orgulho em quem somos e escondemos aquilo em que acreditamos por medo de perturbar alguém (como se perturbar fosse necessariamente mau...), imaginando que o respeito pelas convicções dos outros, passa por lavar as nossas com lixívia! 
6. O medo do politicamente correcto corre ainda o risco de nos reduzir à ignorância: sabemos cada vez menos sobre a essência da nossa cultura judaico-cristã, o que faz falta nem que seja para a renegar com consciência do que fazemos. Sem as “chaves” cristãs, não conseguimos sequer “interpretar” o que está à nossa volta – as igrejas e os conventos que são o nosso património, os quadros nos nossos museus (nem quando pagamos cada píxel, como fazemos, e bem, com a “Adoração dos Magos”), os textos nos livros –, nem entender o que nos tornou a sociedade multicultural que felizmente somos. 
7. Objectivamente, os donos dos cinemas não deviam aceitar exibir a “Guerra das Estrelas”. No censo de 2001, no Reino Unido, no espaço para colocar a religião, 396 mil pessoas indicaram que eram “jedi”, número que desceu para 177 mil no de 2011. Espera-se que com este “Despertar da Força”, a “força” volte a estar com eles e connosco. Afinal, também no pai-nosso se reza “Livrai-nos do mal”. É caso para dizer “ámen”. 
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos