Papa mobiliza os sem-abrigo de Roma

José Maria André
«Correio dos Açores»,  «Verdadeiro Olhar»,  «ABC Portuguese Canadian Newspaper»,
15-III-2015

Não têm nada para fazer?! O Papa Francisco pôs uma centena de sem-abrigo a distribuir um pequeno livro de 32 páginas, oferta do Papa, intitulado «Guarda o coração». Não recebem salário, mas no final há sanduíches.
O pequeno livro é o novo instrumento papal de ataque aos peregrinos. Na primeira página avisa «Devemos passar a ser cristãos corajosos» e, prevenido o leitor, para começar a ter medo, segue-se o resumo do catecismo, um apelo a ler regularmente a Bíblia e um exame de consciência, para fazer diariamente.
A parte doutrinal contém o Credo, apresenta os principais mistérios da fé, os 7 Sacramentos, os dons e os frutos do Espírito Santo, os 10 Mandamentos, as obras de misericórdia corporais e espirituais, as virtudes teologais, as virtudes cardeais e os pecados capitais, as Bem-aventuranças. Cada ponto é acompanhado por uma explicação breve e remete para o «Catecismo da Igreja Católica».
A parte mais exigente é o exame de consciência, destinado a preparar a Confissão. O Papa insiste em cada ponto: «Para quê confessar-se?», «Como confessar-se?», «O que devemos confessar?». As 34 perguntas do exame não deixam pedra por levantar. Com Deus, não se brinca, insiste o Papa.
O exame de consciência e a Confissão são o caminho para guardar o coração, para que Deus Se instale. Daí o título, «Guarda o coração». O Espírito Santo quer instalar-Se e portanto é preciso guardar o coração, «para que não entrem os outros espíritos»: «guardá-lo à chave, como se guarda uma casa».
Há poucos dias, comentando o Evangelho, explicava: «Jesus diz ainda uma outra coisa um pouco estranha – não é? –: "Quem não recolhe coMigo, dispersa". Usa a palavra "recolher". Ter um coração recolhido (...), fazendo aquela prática tão antiga na Igreja, e tão boa: o exame de consciência. Quais de nós é que, à noite, ao terminar o dia, ficamos sozinhos e perguntamos: que aconteceu hoje no meu coração? Que coisas passaram pelo meu coração? Se não fazemos isto, não sabemos vigiar bem, nem guardar bem».
A campanha da Confissão está no auge. Nesta sexta-feira, 13 de Março, aniversário da eleição do Papa Francisco, 60 confessionários funcionaram ininterruptamente na basílica de S. Pedro, durante 24 horas. As outras basílicas de Roma também foram mobilizadas para estarem abertas 24 horas seguidas, com muitos confessores disponíveis, mas com uma diferença: em S. Pedro, o próprio Papa esteve a ajudar nas Confissões.
O Papa tem dedicado muito tempo à catequese da Confissão. Uma das suas mensagens é: «Antes de mais, Deus perdoa sempre! Não Se cansa de perdoar. Somos nós que nos cansamos de pedir perdão. Mas Ele nunca Se cansa de perdoar. Quando Pedro pergunta a Jesus "devo perdoar quantas vezes? Sete vezes?" – "Não sete vezes: setenta vezes sete": Isto é, sempre. Assim perdoa Deus: sempre. Se tu tiveste uma vida de imensos pecados, de tantas coisas más, e no final, um pouco arrependido, pedes perdão, perdoa-te imediatamente! Ele perdoa sempre».
Outra chave desta catequese é o tema da alegria. A Confissão não é um «juízo», mas um «encontro», um abraço em que Deus nos surpreende com uma alegria que não esperávamos. Não há desculpas para atrasar a Confissão: «Não há pecado que Ele não perdoe. Ele perdoa tudo. "Mas, Padre, não me vou confessar porque fiz tantas coisas horríveis, tantas, destas que não têm perdão...". Não. Não é verdade. Perdoa tudo. Se tu vais arrependido, perdoa tudo. Tu vais ...e muitas vezes nem te deixa falar! Tu começas a pedir perdão e Ele faz-te sentir aquela alegria do perdão antes de teres acabado de contar tudo». A Confissão é «o encontro com o Senhor que reconcilia, que te abraça e celebra uma festa. E este é o nosso Deus, tão bom. Também temos de ensinar os outros. As nossas crianças, os nossos rapazes, têm de aprender a confessar-se bem, porque confessar-se não é ir à tinturaria, tirar uma nódoa. Não! É encontrar-se com o Pai, que reconcilia, que perdoa e dá uma festa!».
O Papa avisou que quer «24 horas para o Senhor» em todas as paróquias do mundo, com confissões e adoração eucarística durante 24 horas. (Pelo menos uma vez, para começar).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates