Novo alento

Anteontem, na sessão de encerramento do Meeting Lisboa conheci o Miguel Araújo, fundador dos Azeitonas. Despertou-me a atenção o facto de procurar nas suas letras cantar a normalidade, o português médio, o José Faria dos Santos. Porém, o que o intrigava era como é que no meio desta banalidade geral todos encontravam como que por feitiço, sempre um novo alento
Ontem, ao ler o artigo do José Manuel Fernandes no Observador dei-me conta que, na sessão de sábado da manhã em que tinha participado, lhe tinham perguntado "se sabia explicar o contraste entre o país… onde muita gente andava a tentar dar a volta à vida e muitas empresas estavam a reinventar-se para voltarem a crescer, e o país … todos os dias retratado na generalidade da comunicação social, um país sempre a anunciar a catástrofe iminente ou a lamentar mais uma desgraça". O debate que daqui resultou, diz José Manuel Fernandes, "alterou o estado de espírito algo sombrio com que entrara naquela enorme tenda junto do CCB onde decorria esse evento, o Meeting de Lisboa". Entendi isto como sendo o José Manuel Fernandes a dizer que tinha saído do Meeting "com um novo alento".
Hoje ao entrar na Tapada da Ajuda, onde trabalho, a chegada visível da Primavera deu-me "um novo alento".
Hoje foi o funeral de um agrónomo com notoriedade pública, o Engº Armando Sevinate Pinto, e que foi também, um homem livre, corajoso e que nunca sacrificou a sua liberdade de expressão às conveniências. 
À saída, um colega confidenciou-me que, apesar de serem politicamente adversários, tinha um enorme respeito pela liberdade de pensamento e de acção do Armando Sevinate Pinto. Saí dali "com um novo alento".
Qual é então o feitiço?
A beleza da natureza que desperta do sono do Inverno, o entusiasmo dos jovens que procuram dar a volta à vida mesmo em circunstâncias difíceis e a percepção de que a humanidade verdadeira não passa sem ser reconhecida são sinal de uma realidade positiva que tem a sua raiz no presente mas é também promessa de futuro. 
É esta promessa de futuro que identifico como o novo alento do homem normal cantado pelo Miguel Araújo.
Neste início de Semana Santa o drama da paixão e morte de Jesus seria um desalento se Jesus não tivesse ressuscitado?, pergunta Paulo Rangel

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?