Ao Metro de Lisboa, o meu obrigado

 Público 19/03/2015 - 07:05

Já vai sendo hora de agradecer ao Metro de Lisboa e aos seus trabalhadores os magníficos incentivos que dão a centenas de milhares de utentes para melhorar a pressão arterial, aumentar a massa muscular, diminuir a camada adiposa e combater a osteoporose.
 As duas caminhadas de mais de meia hora que ainda esta semana o metro me obrigou a fazer logo pela manhã vêm precisamente ao encontro das recomendações do meu médico de família. Estou-lhe grato por isso, e não me parece que a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) – talvez por esquecimento, quem sabe por modéstia – esteja a valorizar devidamente o contributo que as 41 greves no metro realizadas desde 2011 têm vindo a dar para a melhoria da saúde dos portugueses.
Eu próprio confesso que planeara para hoje um texto acintoso e maledicente, irritado com tanta paralisação. Contudo, após ter caminhado durante 40 minutos e galgado três colinas de Lisboa, notei que cheguei ao trabalho leve, ágil e fresco, o que apenas se justifica pela prática de exercício regular a que o metro me tem sujeitado nos últimos anos. Se as minhas futuras análises indicarem uma baixa nos níveis de colesterol, estou mesmo a pensar propor-me para sócio honorário da Fectrans – com o colesterol em queda, os 35,65 euros que pago todos os meses pelo passe Lisboa Viva irão, finalmente, justificar o seu preço.
Durante muitos anos, olhei para a sucessão de greves e minigreves como um abuso do espírito da lei e uma banalização de uma forma de luta que não merecia ser tratada deste modo. Eu cresci a ver na televisão a luta dos mineiros britânicos contra o Governo Thatcher: meses e meses de paralisações, confrontos com a polícia, piquetes de homens de barba rija, gente a sofrer por aquilo em que acreditava. Para mim, fazer greve era aquilo – um assunto sério, com paragens a sério e braços-de-ferro a sério. Não uma sucessão de greves mariquinhas, com conceitos tão originais quanto o de "greve a tempo parcial". Nunca percebi como é que a lei permite greves de três horas. Será que há um tempo mínimo? Será que posso fazer uma greve de três minutos para tentar entrar para o Guinness?
Antigamente, tudo isto me parecia coisa sem sentido. Pensava eu: ou bem que se faz greve, ou bem que não se faz greve. Até porque, no caso particular do metro, os sindicatos das minigreves e a administração do maxiburaco têm interesses convergentes – sendo a exploração deficitária, quanto mais tempo o metro estiver parado, mais vantajoso é para as contas da empresa. Todos ganham, excepto o utente. E, nesse sentido, até há bem pouco tempo eu estava desejoso que o metro fosse privatizado, dada a velocidade com que nesta terra um trabalhador passa de descontente a conformado após uma privatização.  
Mas hoje os meus pulmões estão tão oxigenados que eu já penso de outra maneira. Acaso a privatização do metro não se concretize, proponho somente a sua transferência da Secretaria de Estado dos Transportes para a alçada do Ministério da Saúde. Além de Paulo Macedo estar já muito habituado a lidar com défices de exploração gargantuescos, parece-me que a actual actividade do Metro de Lisboa, entre jornadas de paralisação e escadas rolantes paralisadas, poderia perfeitamente ser colocada ao serviço da saúde pública em Portugal. Como meio de transporte, o metro lá continuará fraquito e intermitente. Mas, como estímulo ao exercício físico dos seus clientes, ele será sempre um precioso activo para o país.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates