Vão saber? Sim, é um trabalho de casa

Fonte: Rome Reports
11 setembro de 2013 . ( Romereports.com ) O Papa gosta de estar com as pessoas, cumprimentar, receber os seus cartões e presentes, e acima de tudo, nunca negar a uma criança o cumprimento. Cada audiência geral é prova disso. Durante os 40 minutos que levou sua volta à Praça de São Pedro parou várias vezes para cumprimentar todos os que conseguiu, mais de 100. E não quis perder nenhum.
"Falta um que me chamou ali atrás ... "
Na audiência de hoje, o Papa falou mais das mães do que dos filhos . O Papa Francisco explicou que os cristãos chamam à Igreja "mãe " graças, em primeiro lugar, ao baptismo, que faz nascer neles uma nova vida, a vida de fé .
PAPA FRANCISCO
"Quantos de vocês sabem a data do seu baptismo? 
Há algumas mãos ali... Levantam-se algumas mãos . 
E quantos não se lembram, hem?! Pensam acho que foi na Páscoa, ou no Natal ... 
Mas o dia do baptismo é o dia do nosso nascimento na Igreja, o dia em que a Mãe Igreja te deu à luz, que bom! "
Assim, salientou a importância deste sacramento e para deixar a ideia clara passou um "trabalho de casa": saber a data do baptismo.
PAPA FRANCISCO
" ...Para comemorar, dar graças a Deus por este dom. Vão saber? Sim, é um trabalho de casa, hem? " .
Francisco disse que a Igreja, como mãe, não só dá a luz a filhos, mas acompanha-os ao longo da vida e cuida deles. Por isso, a Igreja não é composta só pelos sacerdotes, mas por todos os baptizados.
PAPA FRANCISCO
"A Igreja não é só os padres. A Igreja somos todos . 
E se tu dizes que crês em Deus ... e se tu dizes que crês em Deus e não na igreja, estás a dizer que não acreditas em ti mesmo, e isso é uma contradição. 
A Igreja somos todos, todos. Desde a criança recém-baptizada que está ali até aos bispos e o Papa, todos."
O Papa também destacou alguns elementos que devem estar presentes na vida dos filhos da Igreja, os cristãos, como a fraternidade, o anúncio do Evangelho e a atenção aos necessitados.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tentar perceber

Uma companhia criativa

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates