A Cultura da Crise

José Luís Ramos Pinheiro RR on-line 16-04-2014 18:36

Na economia, como na vida pessoal, a cegueira com o presente paga-se mais tarde, inevitavelmente com juros tão desnecessários quanto insuportáveis.

Está a chegar ao fim o período da "troika" em Portugal. Indesejável, porque externa, a intervenção tornou-se indispensável. A irresponsabilidade dos gastos do Estado, no quadro de um sistema financeiro internacional deslumbrado com o lucro, não permitiu melhor saída.

Três anos passados, a economia dá sinais de recuperação e as finanças públicas aparentam melhor saúde. Trata-se de um sucesso assinalável. Sem ele o presente seria mais negro e o futuro próximo mais penoso.

Mas ainda que a intervenção da "troika" tenha sido a menos má das alternativas, é impossível fechar os olhos à realidade. Há muitas famílias carenciadas, desemprego de longa duração, jovens precocemente desencantados e muitos pensionistas financeiramente derrotados.

A solidariedade cresceu, mas a mancha de pobreza alastrou, num país envelhecido e à procura de desígnio que não se reduza à mera sobrevivência.

É preciso rever critérios, processos e olhares. Com mais silêncio do que em outras épocas do ano, a Quaresma e a semana Santa são sempre oportunidades para deitar contas à vida.

Para os crentes torna-se indispensável revisitar a sua consciência, procurando e descobrindo Jesus, nos rostos e nas vidas concretas dos que mais sofrem. Mas, para todos, fica pelo menos o desafio de parar, reflectir, provavelmente mudar.

Porque o quadro não é brilhante, a reflexão é obrigatória. Em que falhámos? O que podemos mudar? O que devemos fazer?

Podem discutir-se medidas e contra-medidas, alternativas, engenharias, propostas sofisticadas, exemplos bebidos nas melhores estirpes universitárias. Tudo isso se pode discutir. Mas, realmente decisivo é o quadro cultural em que tais decisões venham a ser tomadas.

A cultura actual empurra tudo e todos para o sucesso imediato ou para a derrota precoce. Uma cultura assim bipolar abre portas à crise e representa, sobretudo, uma crise de cultura.

No sistema financeiro, por exemplo, o grande critério de sucesso passa pelo lucro generoso, rápido, imediato. Os ganhos de curto prazo podem varrer pessoas, empresas ou até países. Pouco importa: a sofreguidão financeira, baseada no sucesso imediato, descarta uma visão de futuro - a médio ou longo prazo.

Mas o imediatismo e a sofreguidão, tão duramente criticados no plano financeiro, também germinaram na vida pessoal. Em Portugal, por exemplo, a crise da natalidade nasceu nos tempos de maior abundância, não começou com a crise económica. Nos anos em que a economia sorria, a satisfação rápida de necessidades imediatas colocou o nascimento dos filhos lá bem para o fim da lista das prioridades.

Agora começam a tomar forma os efeitos sociais e económicos do inverno demográfico em que nos deixámos aprisionar.

Na economia, como na vida pessoal, a cegueira com o presente paga-se mais tarde, inevitavelmente com juros tão desnecessários quanto insuportáveis.

Por isso, se quisermos sair da crise sem reflectir e sem mudar as cabeças, depressa cairemos noutra igual. Para não dizer, noutra pior. Porque as recaídas nunca são melhores.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência