Sabendo que poderiam gerar crianças deficientes, confiaram em Deus e hoje têm 4 filhos

ACI DIGITAL    23.02.2018

Inês e Gonçalo Dias da Silva são um casal português que sabia que seus filhos poderiam nascer com uma doença genética rara e incapacitante e, mesmo assim, decidiram confiar em Deus e abrir-se à vida; hoje são pais de quatro crianças, uma delas com a doença, e em 2017 venceram o prêmio ‘Família Numerosa Europeia do Ano’.
Conhecidos como “os pais de Pedro”, os dois estão casados há 10 anos e contaram o seu testemunho durante a 5ª edição do Faith’s Night Out (Saída Noturna da Fé), no dia 17 de fevereiro, em Lisboa, Portugal, emocionando as cerca de 1500 pessoas no auditório.
Inês contou que, aos 18 anos, ouviu um debate de uma campanha do abortoe logo ficou “convencida de que era legítimo abortar uma criança deficiente”.

Entretanto, ela mesma tinha duas irmãs com uma doença rara e incapacitante e lembrou que, “naquele dia”, ao retornar para casa do debate, fez o que estava acostumada, ir ao quarto de sua irmã para cumprimentá-la.

“Ela estava ali no chão, deitada, numa posição de onde não conseguia sair sozinha; ajoelhei-me, dei-lhe um beijo e ali ela olhou para mim e, sem dizer uma única palavra, destronou todos os argumentos que eu trazia do debate”, disse, conforme testemunho recolhido pelo site ‘Sapo’.

Por sua vez, Gonçalo pontuou que seu amor por Inês sempre foi maior do que o medo e, devido às condições genéticas, sabiam que ela também deveria ser portadora da doença, o que foi confirmado mais tarde por um médico.


“Quando casamos — e somos relativamente novos —, havia muitas soluções que a ciência nos podia dar para resolver este nosso problema, mas nós entendemos que, tal como tínhamos feito no nosso namoro, não queríamos que mais ninguém entrasse na nossa relação a não ser Deus”, assinalou.

Por isso, indicou Gonçalo, “entendemos que a ciência, os médicos, a tecnologia não deviam entrar na intimidade que nós tínhamos como casal” e, assim, “decidimos que não íamos usar nada do que nos era oferecido, além daquilo que Nosso Senhor nos trouxesse”.

Abertos à vida, tiveram seus primeiros filhos, Gonçalo e Francisco, “crianças fáceis e saudáveis”, e mais tarde veio o terceiro, Pedro, o qual se revelou “um estranho e o futuro metia medo”.

A criança, hoje com cinco anos, tem a mesma doença genética de suas tias, o que gerava estranheza por parte de seus pais. “Não olhávamos para o Pedro como olhávamos para os outros”, admitiu o pai.

Na luta pela saúde e vida de seu filho mais novo, contam que passaram a ser conhecidos como “o pai e a mãe do Pedro”. “Foi nessa altura que nós começamos a amar o Pedro. Percebemos que o Pedro precisava dos seus pais”.

“Internamento após internamento, crise após crise, já éramos seus pais, mas também voltamos a aprender a ser filhos de Deus”, ressaltou o casal.

Segundo Inês, muitas vezes tiveram que “usar a fé e a defesa da vida como um estandarte de guerra. Aprendemos técnicas e aprendemos a usar máquinas de suporte de vida, que temos em casa e trazemos para onde ele vem”.

Esta mãe contou que não esperam a cura, mas sim buscam confortar o filho e ter estabilidade. “Uma estabilidade que talvez um dia nos pudesse permitir vir a ter outro filho. A estabilidade hoje ainda não chegou, mas o filho, ou melhor, a filha, tem três anos”, disse, ao revelar que mesmo com as dificuldades, optaram por ter o quarto bebê.

Segundo Gonçalo, o casal rezava e conversava com amigos sobre ter mais um filho, porém, ainda não tinham chegado a uma conclusão. “Mas, mais uma vez, Nosso Senhor nos destronou completamente. Primeiro pôs-nos o desejo no coração, depois um dia fizemos um teste e tínhamos lá um traço a dizer que a Inês estava à espera de um bebê”, recordou.

O Faith’s Night Out contou ainda com testemunhos sobre verdade, ciência e devoção, os sinais de Deus, santidade. Trata-se de um evento inspirado nas TED Talks e apresenta uma série de conferências, com o foco na fé.

Nesta edição, foram 12 testemunhos de 7 minutos cada, entre os quais havia pessoas das áreas de jornalismo, filosofia, música, ciência, tecnologia, medicina e também o Bispo de Santarém, Dom José Traquina.

O evento é promovido pelas Equipes Jovens de Nossa Senhora, movimento nascido em 1976 que reúne jovens católicos entre 16 e 26 anos, os quais buscam crescer e aprofundar na fé. Cada equipe é formada por 6 a 12 jovens com idades semelhantes e um casal assistente, os quais se encontram periodicamente para rezar, partilhar, debater um tema e definir um objetivo para alcançar em conjunto.

A organização do Faith’s Night Out já anunciou que haverá uma nova edição do evento no dia 30 de junho, na Universidade Católica Portuguesa, no Porto. Além disso, outro está programado para o dia 6 de outubro, em São Paulo, no Brasil.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência

Sou mãe de um forcado. E agora?