sexta-feira, 30 de junho de 2017

O tempo da liberdade

POVO  30.06.17


"A liberdade nunca está mais que uma geração de distância, da extinção.  
Nós não a passamos aos nossos filhos no sangue. 
Devemos lutar por ela, protegê-la e transmiti-la, 
para que eles façam o mesmo."

Ronald Reagan



Chegadas as férias das crianças, chegou o tempo privilegiado para que possam entender verdadeiramente o que significa 'tempo livre' e, consequentemente o que é a 'liberdade'. 

Para mim, tem sido na relação com os nossos filhos que este entendimento de liberdade mais se tem concretizado. Agora que o tempo deles se libertou, o meu está cativo na sua ocupação. Paradoxalmente, este 'cativeiro' é onde se joga a minha liberdade, porque o empenho, a criatividade, a alegria com que viverei com eles este tempo, será sempre uma decisão.

Talvez, por isso, seja tão difícil confrontarmo-nos com o facto de que sobre a vida dos filhos não decidimos tudo. Tenho seguido com proximidade comovida, a vida do Charlie, tendo no horizonte a vida em algo semelhante do nosso filho Pedro, e o testemunho do querido Papa S. João Paulo II na sua morte - "Deixem-me partir". Na minha tarefa de cuidadora amparo-me muito neste seu testemunho e sinto todos os dias o risco de uma certa obstinação para que nos alerta num texto que encontrei nesta mensagem antiga do Povo. Perante a notícia da suspensão do suporte de vida do Charlie, dei por mim, a recordar a passagem dos Actos dos Apóstolos (17:25)  que tantas vezes rezei nas laudes à frente do meu filho ventilado: "Quem fez o mundo e o que nele existe, dá a todos a vida, e a respiração a todas as coisas". Em todos os momentos críticos em que a respiração lhe faltou, tivemos a intenção de o deixar partir, se a falta se revelasse permanente. Pois se "Quando decidimos ser pais, é porque estamos abertos ao que Deus nos pede", teremos que nos preparar para perder aqueles que nunca foram nossos em primeiro lugar. Este é o drama da liberdade. 

"Querido Charlie, isto é tão difícil para nós pais, que desejamos ter os nossos filhos connosco. Sou muitas vezes obstinada com todos os meus quatro filhos, de maneiras bem diferentes. Mas amar, aprendi com a Chiara Corbela Petrillo, é o contrário de possuir. Os meus filhos não são meus, como tu não és dos teus pais. Tu pertences a este Senhor, que "dá a respiração a todas as coisas". Àquele que verás face a face, no dia do cumprimento do teu destino. E a máquina que te deu a respiração até aqui, não se aproxima nem um pouco da beleza que nesse dia irás encontrar.

Rezo por ti, pelos teus pais e por toda a tua família, com coração comovido pelo amor que exaltaste em nós e pedindo que este forte desejo de união contigo, nos faça desejar cada vez mais a união com Aquele que nos dá, a todos, a vida e a respiração. 

Inês, mãe do Pedro                                                               LER A CARTA COMPLETA >>>>>>



Uma boa proposta para a ocupação dos tempos livres 
para crianças dos 6 aos 10 anos, são estas
Férias em Lisboa já na próxima semana 3 a 7 Julho
na Fundação Maria Ulrich


Para famílias numerosas, chama-se a atenção para o 
as mensalidades são pagas apenas até ao 3º filho. 



POSTS DA SEMANA



Enviar um comentário