segunda-feira, 11 de julho de 2016

A carta que Fernando Santos leu na conferência de imprensa

Observador, 2016.07.11

Esta é, na íntegra, a carta que Fernando Santos escreveu na solidão do seu quarto, agradecendo a Deus. Não foi depois do jogo com a França. Foi em Marcoussis a 18 de junho, depois do segundo empate no segundo jogo (frente à Áustria) do Europeu. Nessa altura, o discurso da vitória ficava escrito. No fim do jogo contra França, o selecionador pediu uns minutos e antes das perguntas dos jornalistas na conferência de imprensa leu-a em voz alta muito emocionado, sob o som de aplausos:

Em primeiro lugar e acima de tudo, quero agradecer a Deus Pai por este momento e tudo aquilo da minha vida. Deixar uma palavra especial ao presidente, dr. Fernando Gomes, pela confiança que sempre depositou em mim. Não esqueço que comecei com um castigo de oito jogos pendentes.
A toda a direção e a todos os que viveram comigo estes meses. Aos jogadores, dizer mais uma vez que tenho um enorme orgulho em ter sido o seu treinador. A estes e aqueles que aqui não puderam estar presentes. Também é deles esta vitória. O meu desejo pessoal é ir para casa. Poder dar um beijo do tamanho do mundo à minha mãe, à minha mulher, aos meus filhos, ao meu neto, ao meu genro e à minha nora e ao meu pai, que junto de Deus está certamente a celebrar.
A todos os amigos, muitos deles meus irmãos, um abraço muito apertado pelo apoio mas principalmente pela amizade. Por último, mas em primeiro, ir falar com o meu maior amigo e sua mãe. Dedicar-Lhe esta conquista e agradecer-Lhe por ter sido convocado e por me conceder o dom da sabedoria, perseverança e humildade para guiar esta equipa e Ele a ter iluminado e guiado. Espero e desejo que seja para glória do Seu nome.
Enviar um comentário