quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Carlos Alexandre: “Como não tenho amigos nem fortuna tenho de trabalhar”

Sol, 2016.09.08

O magistrado do Tribunal Central de Instrução Criminal garante que há anos em que só folga quatro sábados. À SIC admite que faz horas extra fora dos grandes casos para não se desligar do país real e porque precisa de dinheiro

O juiz que assinou o mandado de detenção de José Sócrates, Ricardo Salgado e de Duarte Lima abriu pela primeira vez o jogo sobre como tem sido a sua vida nos últimos anos. Carlos Alexandre falou da doença grave que teve em 2014 logo a seguir à detenção do ex-primeiro-ministro, da sua infância – feliz mas muito humilde – e da necessidade de fazer horas extra para pagar as suas contas mensais. Em entrevista à SIC, o super juiz (alcunha de que diz não gostar) admitiu ter sido alvo de ameaças e que assegurou que se sente escutado.
Não falar de processos concretos foi uma regra de ouro numa entrevista sobre uma vida que não existe sem esses casos.
As sombras de chocolates Regina do Natal
O sonho de ser juiz já vem de novo. Carlos Alexandre contou que o caso que mais o marcou  em criança foi o de uma pessoa que pôs em causa a sua paternidade e avançou para tribunal por considerar que era filho de um fidalgo. Na altura era muito novo, mas gostava de assistir a essas audiências. “Mas também gostava de jogar ao pião e ao berlinde, não era um rato de biblioteca”.
Sobre a infância em Mação, disse ter sido muito ligada à igreja, feliz e muito humilde: “Não havia luxos, éramos de uma classe média baixa. O meu pai vivia para ver se os filhos tinham uma vida um pouco melhor que a dele. Era muito austero, nada de prendas”.
Haver até havia, mas estavam longe das do imaginário de qualquer criança. “O meu pai gostava de jogar às cartas num café próximo, era um exímio jogador, e lembro-me que quando era Natal trazia-nos uma sombrinha de chocolate da Regina, mais um chocolate daqueles losangos e pouco mais”.
Um juiz do país real que não tem amigos ricos
O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal diz que fruto dos ensinamentos que lhe foram dados pelos pais – “pessoas com um grande sentido de palavra dada, de justiça, de honradez, de não quererem mais do que fosse seu, de pagarem a quem deviam” – nunca se esqueceu do país real.
Essa é aliás uma das razões que o faz continuar com turnos no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, a outra é a necessidade de ganhar mais dinheiro.
“A primeira razão é porque não tendo eu fortuna pessoal, algumas das coisas que adquiri e alguns encargos e compromissos em que me meti só são sustentáveis se eu trabalhar mais. Como eu não tenho amigos, amigos no sentido de pródigos, não tenho fortuna herdada de meus pais ou de meus sogros, eu preciso de dinheiro para pagar os meus encargos. E não tenho forma de o alcançar que não seja através do trabalho honrado e sério”, disse. Por cada sábado, revela ganha 75 euros. Houve anos em que só folgou quatro sábados.
Atrasos não significa que justiça não funcione
Na entrevista à SIC, Carlos Alexandre disse considerar que todos os dias “se faz boa justiça em Portugal”, assegurando que o facto de “alguns segmentos desse trabalho levarem mais tempo a apresentarem resultados não é sinónimo de que a Justiça não funciona.”
A Justiça funciona e o país não tem mais corrupção que os outros. “Para além da cultura da cunhazinha e do favorzinho, por vezes remunerado ou com uma pequena lembrança, não é muito diferente do que vejo nos outros países. Tem tantos corruptos como os outros países”, refere.
Delação premiada, o bom exemplo do Brasil
“A comunidade portuguesa de mediana idade tem dificuldade em aceitar a delação premiada porque lhe soa a um bufo que vai dizer coisas para livrar a pele”, explica o magistrado, questionando: “Mas se houver declarações de um coarguido, de testemunhas, se houver conjugação de tudo com a prova pericial concita à mesma os receios de uma pide dos tempos modernos, ou de um sistema que premeie a bufaria? Nós não temos garantias para checar tudo o que foi dito?”
O juiz acredita que, tal como aconteceu com a Operação Lava Jato no Brasil, esse instituto trazia “muitas pessoas que hoje em dia ficam alheadas para contribuir para o esclarecimento de determinados dossiês em Portugal”.
Preocupado com as fugas de informação
Chegou a ser apontado como uma possível origem de fuga de informações, mas aproveitou a entrevista para por um ponto final no caso.  “As fugas de informação preocupam-me porque em muitos casos eu sou o primeiro a reconhecer que isso tem prejudicado o sentido das investigações. Se há situações em que esse uso é abusivo que escrutinem, as autoridades competentes que escrutinem.”
O juiz usa a ironia para sugerir um novo caminho. “A alternativa a isso é ser tudo público, se calhar é desejável que seja tudo público”, diz, concluindo: “Estou a ser irónico”.
O fim dos almoços o cuidado com a exposição pública
Antes, Carlos Alexandre almoçava com amigos e colegas em restaurantes, algo que agora diz ser totalmente impossível, “mercê de algumas preocupações que tem com o que pessoas que estejam na mesa ao lado estão a pensar ou a ouvir, pessoas que recorrem a fontes humanas, que recorrem ao mexerico”, mas também porque confessa não ter muitos amigos com quem possa “refeiçoar”.
Questionado sobre se sente observado explicou que acha que é escutado sobre várias formas: “Já me julgo um pouco conhecedor e já identifiquei várias vezes restolhar de papeis, água a marulhar, porque há pessoas que têm a possibilidade de ir para a praia n}esta altura do ano e por vezes descuidam-se.”
Ainda assim diz não estar preocupado, uma vez que nada tem a esconder.
Confirmando a história que dá conta de que lhe assaltaram a casa e deixaram uma pistola em cima da fotografia do filho, o super juiz garante que o medo é coisa “que não lhe assiste”
“Se tivesse medo não me levantava da cama, eu aceito o meu futuro e o meu destino, de facto tenho família. Enquanto o assunto for comigo não vejo problema, e espero que seja sempre comigo, não vejo problema porque eu estou em paz com as atitudes que tomei, com as decisões que tomei, ao longo destes 30 anos de serviço público”, afirma.
Está em paz, mas não nega que algum dia possa ter errado: “Como toda a gente, sou falível”.
O homem que guarda os segredos do País
Lembra-se de tudo e de todos, sabe de cor as páginas dos processos e admite que o conhecimento adquirido lhe dá poder, mas nem por isso se considera perigoso. “Se traduzirmos ‘segredos’ por ‘eu conheço muita da realidade económica de alguns negócios de algumas operações bancárias, de algumas decisões políticas, de algumas decisões jurisprudenciais, o que se passa nos bastidores delas, de facto eu conheço muita realidade. Não nego que conheço muita realidade. Sinto essa pressão porque tenho uma memória fabulosa”, revela, lembrando que não a usa para o mal.
“Não sou pessoa de quem ninguém deva ter medo, tenho 1,69m no bilhete de identidade ... e sou um grande cultor da lei moral de Kant, que diz sensivelmente isto ‘age de uma forma tal que queiras que os outros ajam em relação a ti da mesma maneira”, refere.
Sem esconder ou negar que tem a sua cabeça no cepo sempre que assina um documento que muda a vida de alguém muito importante, Carlos Alexandre frisa que assume todas as suas responsabilidades: “Aprendemos nos bancos da faculdade que todos os cidadãos são iguais perante a lei, mas há uns que são mais iguais.
A falta de saúde, os inimigos e a ida para a Relação
O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal revelou ontem à SIC ter estado internado em dezembro de 2014 devido a uma embolia pulmonar e que no ano passado foi a vez de um familiar próximo ter tido um problema grave. Garante que só esse tipo de problemas o poderão no futuro fazer repensar a Justiça como missão.
Sobre uma possível subida para o Tribunal da Relação, diz ainda não preencher alguns items, entre os quais a frequência de seminários, o que lhe retira valoração. “Eu trabalho horas a fio, não quero dizer que as pessoas que foram aos seminários não trabalhem”, remata. Outro dos problemas é a possibilidade de não ter vantagens financeiras com essa subida.
Quanto aos inimigos, atira: “Não sei se tenho inimigos, como dizia um general meu amigo, amigos são os que vão ao meu funeral. E mesmo assim se não estiver a chover. Devo ter muito poucos. Sou o saloio do Mação, como alguns um dia terão dito, com créditos hipotecários que tem de trabalhar para os pagar, que não tem dinheiros em nome de amigos, não tem contas bancárias em nome de amigos e até desse ponto de vista que não tem amigos”.
Enviar um comentário