Cinco anos de mandato

Pe. João Seabra
DN 20160914

Por variadas razões, acompanhei sempre, embora relativamente longe, a actividade da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, sobretudo nos períodos em que esteve a cargo de Maria José Nogueira Pinto. Desde que, há alguns anos, aceitei o convite para ser membro do Conselho Institucional que se tornou minha obrigação manter-me informado e formar um juízo sobre as orientações e realizações dessa grande Instituição de Solidariedade Social de Lisboa.
Por ser membro do referido Conselho Institucional, e também por ser Pároco da Santa Casa, porque tanto a Sede da Misericórdia de Lisboa, como a Igreja de São Roque estão situadas na Paróquia da Encarnação, que me está confiada, tive oportunidade, em Março passado, de assistir a um evento raro nos anais da democracia portuguesa. Assisti à tomada de posse do Provedor da SCML conferida pela Primeiro-Ministro: dois adversários políticos de longa data, membros destacados de partidos em grande divergência política. O cargo, como se sabe, é de nomeação do primeiro-ministro, que conferiu a posse. O acontecimento, na sua raridade e, porque não dizê-lo, espectacularidade, tem, decerto, muitas razões políticas que escapam à minha ignorância de homem de rua. Mas tem uma razão que para mim é evidente: nos anos que antecederam, Pedro Santana Lopes foi um excelente provedor da SCML.
A Misericórdia é uma Casa, Santa embora, pesada e cheia de tradições e hábitos, muitos aliás notáveis. Uma gestão responsável não pode delapidar o património de experiência, de inserção capilar no tecido social da cidade, de conhecimento de centenas e milhares de casos concretos de necessidade e aflição que torna os serviços da SCML tão próximos das gentes de Lisboa. Mas não pode também deixar de se preocupar com a modernização administrativa, com a inovação tecnológica e científica e com a identificação atempada das novas questões sociais. Sob a provedoria de Santana Lopes, identifica-se essa difícil mas conseguida articulação entre tradição e inovação, que não é apenas um lema mas um método e uma realidade operativa. Na preservação da tradição da SCML tem uma importância decisiva, digamos mesmo identitária, a origem e a natureza histórica da Misericórdia, como uma manifestação organizada do espírito cristão. A história política e social dos séculos XIX e XX transformou de algum modo a SCML num instituto público, constitucionalmente submetido aos princípios da separação do Estado e das Igrejas e de uma sã laicidade.
Penso que Pedro Santana Lopes tem tido a sabedoria de, no estrito respeito pelos princípios da liberdade religiosa que governa a sociedade portuguesa, encontrar na matriz histórica da SCML as inspirações e agendas para uma intervenção social mais humana e mais próxima dos que mais precisam. O seu acolhimento teórico e prático ao desafio do Jubileu da Misericórdia lançado pelo Papa Francisco à Igreja e ao Mundo é disso manifestação eminente.
Do fundo do coração, invoco a protecção e a bênção de Nossa Senhora da Misericórdia para estes próximos anos de actuação da Santa Casa.
Cónego da Sé Patriarcal.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos