E se fosse consigo?

Graça Franco
RR 19 ago, 2016

Não foi numa rua do Iraque. Foi mesmo em Ponte de Sor.

Não fora os agressores serem filhos do embaixador do Iraque e talvez a notícia não tivesse saltado da habitual listagem dos crimes do “Correio da Manhã” para os noticiários nacionais e os jornais de referência. A violência inaudita seria exactamente a mesma. Votada a uma indiferença que nos vai roubando o coração. Fossem os dois gémeos iraquianos dois adolescentes de Portalegre e talvez nem tivéssemos tomado conta da ocorrência. E, contudo, passou-se. Isso deveria bastar-nos para parar e pensar.
Pela violência do crime. Sim, mas não só, nem especialmente. O que é feito da humanidade quando jovens são de tal forma dominados pelo ódio que mesmo sob o efeito do álcool são capazes de esmagar a cabeça de um miúdo saltando a pés juntos sobre ela? Numa violência que não deixa dúvidas sobre o objectivo final: matar.
A nacionalidade/impunidade dos agressores desvia-nos da reflexão essencial. Mais importante do que saber a forma como a sociedade vai conseguir punir o crime ou de que forma o “sistema” ou ambiente de “guerra” em que os agressores provavelmente cresceram pode explicar a violência inusitada para eliminar “o outro”, importa perceber como a sociedade de brandos costumes que os recebeu está ou não hoje capturada pela indiferença.
O jornal “Público” traça o relato possível de uma noite onde a par da violência cresce a sociedade paralisada pelo medo. Uma dormência social que só por si justifica o verdadeiro serviço cívico prestado pela SIC através da série “E Se Fosse Consigo?”. Um grilo falante que tenta despertar as audiências do coma espiritual.
Socorro-me da reportagem de Ana Dias Cordeiro e Mariana Oliveira sobre o crime de Ponte de Sor onde se afirma que “pessoas despertaram muito antes da alvorada com gritos que as levaram às varandas e janelas da Avenida da Liberdade, ainda a tempo de verem um dos suspeitos saltar com os dois pés em cima da cabeça do rapaz. Não desceram. Foram ameaçados pelos agressores que estariam embriagados e gritavam que se descessem à rua lhes fariam o mesmo”.
Não desceram. Foram “ameaçadas”. Isto basta para aparentemente legitimar a inacção. E se fosse com eles? E se fôssemos nós em vez deles? Teríamos descido? E se fosse o nosso filho, o miúdo de “olhos azuis e olhar doce” que víamos da “janela ou da varanda” a ser agredido, caído na rua, quase moribundo. Arranjaríamos aí coragem para descer? Mesmo sob ameaça desceríamos a salvar o nosso?
O que é feito da humanidade quando se deixa de tal forma dominar pelo medo que o relato pode prosseguir assim: “Eram quatro horas da manhã. Quando os homens do carro do lixo passaram e ainda viram os agressores antes de fugirem num Mercedes…”.
O miúdo de olhos azuis meio-morto foi apanhado do chão pelos samaritanos do carro do lixo. Não foi numa rua do Iraque. Foi mesmo em Ponte de Sor.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos