A ministra da festa cor-de-rosa e da reforma agrária

Observador 17/8/2016
Temos um governo socialista, inimigo da propriedade privada, pelo que a solução para os incêndios é encontrar uma manigância para expropriar os terrenos aos proprietários, dando-lhes uso comunitário.
Faço já a declaração de interesses: não tenho nada contra festas, nem contra revistas cor-de-rosa, nem contra ministros divertindo-se, nem contra fotografias de pessoas aperaltadas em eventos sociais. Eu própria passei uma parte das férias num local com alguma influência britânica onde ainda se valoriza o vestir bem para jantar, no fio da navalha entre a formalidade e a informalidade. Percebo, portanto, que a ministra da administração interna, Constança Urbano de Sousa, tenha decidido ir a uma festa durante as férias e nela se tenha feito fotografar.
Mas a ministra não é uma capitalista impenitente como eu. Detenhamo-nos, então, por momentos nesta propensão que os socialistas têm, mesmo agora extremados à esquerda e adeptos da luta de classes, de se aliarem a eventos com uma inegável frivolidade social e a revistas de fofocas. Afinal os socialistas empedernidos nunca resistiram ao luxo. Veja-se como os Castro celebraram a miséria cubana contratando Christian Louboutin para fornecer as fardas para os Jogos Olímpicos. Ou Bernie Sanders, que prometia uma revolução socialista americana e acabou a comprar uma casa cara num lago idílico (os Adirondacks, lá perto, são dos sítios que me estão atravessados na garganta para visitar).
De resto, o comportamento da ministra é consistente com o de António Costa, agora ‘chocado’, quase lacrimejante (levem-lhe chá de verbena), mas que também se fez fotografar numa praia algarvia, risonho e feliz da vida. Nem sei se este género de ação não terá magicado pelas cabecinhas do PS que se supõem génios de estratégia política. A mensagem seria inspirada em Pangloss: estamos no melhor dos mundos, a governação está encarrilhada, como podem ver corre tudo tão bem que até nos podemos despreocupadamente dedicar a festas e riso durante as férias. Afinal é este governo que acredita nos poderes mágicos do otimismo, porventura depois de terem lido meia dúzia de best sellers de autoajuda: se acreditares que vai correr bem, então vai correr bem. E, se não correr, a comunicação social amiga finge que sim e os papalvos dos eleitores pensarão que as suas desgraças individuais não se replicam pelo resto da população.
Houve o problema do costume em se tratando de um governo socialista: a realidade. Estava António a rir na praia e Constança na festa cor de rosa quando já o país ardia como se não houvesse amanhã. Que não tenham arrepiado a estratégia propagandística ‘ministros, festejemos ostensivamente a boa governação’, mostra uma falta de senso e de noção e de respeito atroz e perturbante.
Claro que Constança Urbano de Sousa teve de abandonar as suas festas cor-de-rosa para fazer controlo de danos. Desde aí tivemos entrevistas da ministra quase todos os dias, declarações à comunicação social, textos elegíacos sobre a senhora em jornais, tentativas de culpar a União Europeia. E descobrimos que afinal a reação mais ajuizada da ministra da administração interna aos fogos que consomem as florestas é mesmo participar em festas.
Porque a ministra infelizmente começou a propor coisas. Uma delas: pedir indemnizações aos incendiários. Como o incendiário típico não tem grandes rendimentos, a ministra quer penhorar os vinte ou trinta euros que o incendiário mensalmente receberá acima do salário mínimo (nos melhores casos) e considera que isso é suficiente para pagar os prejuízos tidos com os fogos postos. Avassalador.
Propôs mais, conquistando-me de imediato o coração: a reforma agrária. Claro que agora a culpa dos fogos é da propriedade da floresta – 90% privada. Se a floresta fosse pública passaríamos para tantos fogos de verão como a Dinamarca. De resto, o estado é conhecido por cuidar com enlevo da sua propriedade. É ver, por exemplo, como tratou bem (não!) do edifício marcante da história do país, o Paço de Alcáçovas.
Ora como se pode levar a que os privados tenham dinheiro para cuidar melhor das suas terras? Revendo os PDM, que tantas vezes especificam usos para os terrenos decididos ao calhas pelos burocratas da administração central e das câmaras, que efetivamente condenam os proprietários a não lhes dar uso nenhum? Aqui é turismo, ao lado agricultura, mais à frente reserva florestal, e se um proprietário tem algum projeto diferente para o terreno, que ficaria cuidado e valorizado, é recebido com hostilidade e obstrução na câmara municipal – que tal impedir isto? Garantir um equilíbrio entre os interesses dos proprietários – a maioria pequenos e que não têm meios para estudos de mercado nem acesso aos presidentes de câmara para os convencerem dos benefícios das sua ideias – e os do ordenamento do território, de maneira a que os donos tenham dinheiro para manter os terrenos com o mínimo de combustível? Agilizar processos de partilhas, empancados nos tribunais, que mantêm terrenos como terras de ninguém, anos a fio? Facilitar registos prediais, se não mesmo fundi-los com os registos fiscais dos imóveis – em vez de criar nova burocracia multiplicada com os ‘cadastros de proprietários’ (já há dois)?
Nada disso. Temos um governo socialista, inimigo da propriedade privada, pelo que a solução é encontrar uma manigância para expropriar os terrenos aos proprietários, dando-lhes um uso comunitário. Até parece que nem temos um estado a pagar empréstimos de pós-falência, que tem dinheiro para pagar as indemnizações constitucionais a quem é expropriado, e tesouraria abundante para gastar em mais floresta.
Constança Urbano de Sousa, volte para as festas se faz favor.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?