Querem matar o amor?

ISILDA PEGADO   18.12.16   VOZ DA VERDADE


1 – No final do Séc. XIX, Nietzsche disse “Deus está morto!”. Na verdade, depois do positivismo e das doutrinas socialistas/comunistas, parecia que Deus já não tinha lugar na vida dos homens. A história encarregou-se de demonstrar, em menos de um século, que o que havia de morrer era o socialismo/comunismo, em especial a organização social que perseguiu todas as formas de identidade religiosa (a União Soviética). 
2 – O ataque explícito à Igreja não é hoje um facto evidente. Ao invés, reconhece-se a presença e a especificidade da Igreja na Sociedade mas, num “caldo morno e silencioso”, vai-se matando tudo o que a caracteriza. E, o que caracteriza o Cristianismo, é o Amor. Esta civilização de 2000 anos é, como dizia S. João Paulo II, a “Civilização do Amor”.
3 – Estamos a perder a “nossa Marca”. Procuramos no cinema e não encontramos filmes de amor. Vemos filmes de guerras, de construções robóticas inimagináveis, de formas perversas de destruir a humanidade, de ataques violentos, de sexualidade bizarra, etc. Mas filmes de Amor não.
4 – Os livros, abordam temas que variam entre um sensualismo desordenado, a roçar a pornografia e a promoção panfletária de ideologias ou de ataque a Instituições.
5 – As canções e cantigas são de intervenção e de protesto, tantas vezes carregadas de azedume e ira.
6 – Na política, no governo da Polis, vemos a voragem da promoção e aprovação de leis fracturantes que vendidas por um “direito ao livre arbítrio do indivíduo” geram a solidão, a dor e até a violência.
7 – No último ano, em Portugal, vimos aprovar a lei que permite a gravidez com recurso ao “banco de esperma” (nega a possibilidade da criança conhecer o pai); e as “barrigas de aluguer”. Dois exemplos claros de atentados contra o Amor (a criança que ficará para sempre privada da identidade paterna ou da mulher que é “hospedeira” do seu próprio filho e por virtude de um negócio jurídico o terá de entregar a outro).
8 – Surge-nos agora o debate sobre a Eutanásia. Está em causa a pessoa que já com poucas forças, a necessitar de apoio, carinho, cuidados, se vê na circunstância de ter pela frente um “acto digno” (dizem eles) – pedir que lhe deêm a morte. Isto é, o último acto da sua vida é dizer “já não tenho valia, nem forças, dêem-me uma injecção…”. E, da parte da sociedade, o último acto que lhe é oferecido é, “Sim, de nada vales, toma a injecção”…
9 – É esta a civilização do Amor? Onde está o carinho, a solidariedade, a alegria da vida? Onde está o Amor que se gera na família?
As leis não são feitas só para alguns, têm a vocação da generalidade. Isto é, aplicam-se a todos – qualquer um poderia recorrer à eutanásia. E, na experiência já vivida noutros países, uma vez aprovada a lei, perante circunstâncias de debilidade, cria-se a “obrigação social” de pedir a eutanásia.
Querem matar o Amor? A violência, no tempo, gera novas formas de violência.
10 – Estamos no Natal – celebramos o Amor. A Presença, o Facto que se tornou Amor. A partir do qual se construiu a Civilização da Igualdade, dos Direitos Humanos e do Amor.
Há um Amor que se torna Presença e companhia de cada um, e que há-de romper para o espaço comum, sob pena de sermos todos envolvidos por esta renúncia silenciosa à Fé.
Todos somos Amados. Do Amor ninguém foge.
Um Natal de Amor!
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”