terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Embaixador russo em Ancara assassinado. Atirador grita por Alepo

PÚBLICO  19.12.16

O embaixador russo na Turquia, Andrei Karlov, foi assassinado esta segunda-feira quando estava numa galeria de arte em Ancara, confirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo. O atacante, um polícia à civil que fez um discurso sobre a guerra na Síria, em que falou de Alepo, e foi "neutralizado" - baleado por outros polícias.
"Não se esqueçam da Síria! Não se esqueçam de Alepo!", gritou o atirador, depois de ter baleado pelas costas o embaixador. "Afastem-se. Só a morte me vai tirar daqui. Os que tiverem algum papel nesta opressão vão morrer, um a um", gritou. Um vídeo gravado por um dos presentes na galeria foi divulgado nas redes sociais. 
Homicídio do embaixador da Rússia na Turquia não ameaça relações diplomáticas entre os dois países
O Presidente turco, Recep Taiyyp Erdogan, já falou ao telefone com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, sobre o ataque que matou o embaixador Karlov, de 62 anos, cuja carreira diplomática se estendeu por quatro décadas, incluindo colocações na Coreia do Sul e Coreia do Norte, diz o site da revista The Atlantic.
Em declarações separadas, Erdogan e Putin qualificaram este homicídio como "uma provocação" com o objectivo de impedir a normalização de relações diplomáticas entre os dois países, iniciada nos últimos a partir de Agosto, após uma grave crise, iniciada depois de a Turquia ter abatido um caça russo enquanto sobrevoava a Síria, em Novembro de 2015. 
O ataque ocorreu enquanto Karlov fazia um discurso na inauguração de uma exposição de fotografia na galeria, que é próxima da embaixada dos Estados Unidos. O atacante disparou um tiro para o ar, baleou o embaixador pelas costas e ainda feriu mais três pessoas, de acordo com o canal NTV. Segundo a agência Tass russa, o atirador seria um dos milhares de funcionários públicos despedidos após o golpe de Estado falhado de 15 de Julho na Turquia. 
Moscovo diz que o homicídio do seu embaixador em Ancara vai ser tratado como um caso de "terrorismo". O Conselho da Federação Russa considerou este incidente como "uma grave falha do sistema de segurança turco, adianta a agência noticiosa russa Interfax.

"Indícios" de ligação a Gülen
A Reuters está a citar "um oficial superior dos serviços de segurança" que diz existirem "indícios muito fortes" de que o atirador estava ligado ao movimento do imã Fethullah Gülen, que o Presidente Erdogan acusa de estar por trás do golpe do Verão.
Gülen, no entanto, emitiu um comunicado condenando o homicídio a partir dos EUA, onde se auto-exilou.
Os serviços de segurança turcos dizem que o homem era um membro das forças especiais da polícia, de 22 anos, que trabalhava em Ancara, mas não se encontrava de serviço no momento do atentado. Terá sido por ter mostrado um cartão de identificação da polícia que lhe foi dado acesso à inauguração, segundo os jornais locais. Os media turcos mostram imagens desse cartão, que o identifica como Mert Altintas.
A irmã e a mãe do atirador foram entretanto detidas, na província de Aydin, no Sudoeste da Turquia, noticiou a CNN Turk. 
O porta-voz das Nações Unidas Stephan Dujarric condenou o homicídio de Karlov. "Não há justificação para um ataque contra um diplomata ou um embaixador", afirmou. Também o Departamento de Estado norte-americano condenou o ataque. O regime de Damasco também expressou a sua condenação.
Para terça-feira estava marcado um encontro em Moscovo entre o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, e os seus homólogos russo e iraniano para discutir a situação na Síria - que deverá continuar na agenda.
O melhor do Público no email
Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público.


"Creio que não haverá consequências consideráveis [nas relações entre a Rússia e a Turquia] mas antes num plano simbólico. Mostra que o que se passa em Alepo não é aceite por uma parte da população muçulmana", disse à AFP Dominique Moïsi, conselheiro especial do Instituto Montaigne, um think tank em Paris.
"Ancara vive na corda bamba, ao tentar encontrar uma forma de viver com a Rússia na Síria", estimou por sua vez Aykan Erdemir, da Fundação para  Defesa da Democracia, em Washington. O partido islamo-conservador no poder, o AKP, vê com maus olhos o apoio de Moscovo ao regime de Bashar al-Assad. "Quando se vêem manifestações em Istambul contra a Rússia e o Irão e de apoio a Alepo, vemos que participam os apoiantes mais zelosos do AKP."

Enviar um comentário