sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Consulta pública do Referencial para a Educação da Saúde

Foi prorrogado o período de consulta do referencial de educação para a saúde. A direcção geral de educação convida os interessados a enviar sugestões de melhoria do documento, devidamente fundamentadas, até às 12:00h do dia 19 de dezembro de 2016, para dseeas@dge.mec.pt.

Transcreve-se abaixo o conteúdo das páginas 69 à 82 deste documento que podem encontrar por inteiro aqui



AFETOS e EDUCAÇÃO PARA A SEXUALIDADE

A Organização Mundial de Saúde define a sexualidade como “uma energia que nos motiva para encontrar amor, contacto, ternura e intimidade; ela integra-se no modo como sentimos, movemos, tocamos e somos tocados, é ser-se sensual e ao mesmo tempo ser-se sexual. A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e interações e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental”. A sexualidade está presente no nosso dia-a-dia e, por isso, a sua abordagem não pode estar confinada a uma “disciplina”. Sendo a escola um lugar habitado por crianças e jovens, cujas idades são atravessadas pelos fenómenos de transformação corporal e psicológica ligados ao crescimento natural, é nela que se vivem alguns dos primeiros e mais impressivos sentimentos e emoções decorrentes do desenvolvimento sexual. A sexualidade é vivida pelas crianças e jovens de formas diversas, de acordo com a vivência familiar, escolar e enquadramento socio-económico.
Nos vários ambientes que a escola proporciona os alunos experimentam a sua sexualidade, quer seja nas suas brincadeiras, no estudo e nos namoros, mas também na relação com os docentes e trabalhadores da escola. Ela está presente nas conversas, nos jogos, nas quezílias, mas também nos conhecimentos científicos. A educação para a sexualidade para ter os resultados desejáveis terá de dirigir-se à escola como um todo, penetrar em todos os seus ambientes, envolver todos os seus membros, aproveitar todos os momentos para, através de acontecimentos emocionais estruturados, construir modelos que promovam os valores e os direitos sexuais, sobre os quais os jovens possam desenvolver a sua própria identidade e o respeito para com os outros.
A sexualidade suporta afetos, que se manifestam sob a forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão de dor ou prazer, de satisfação ou insatisfação, de agrado ou desagrado, de alegria ou tristeza. Existe uma vida afetiva que permanentemente nos faz aceitar ou rejeitar um acontecimento, um contexto, uma pessoa ou até um espaço. Cuidar dos afetos na escola assume uma importância significativa pois, depende das ligações afetivas, positivas ou negativas, uma melhor ou pior aprendizagem, relações interpessoais mais ou menos satisfatórias e em consequência atitudes e comportamentos mais ou menos positivos. Desenvolver os afetos na escola será uma alavanca importante para o sucesso escolar dos seus alunos.


Subtemas:






BIBLIOGRAFIA:  

  • BRANDES, Donna; PHILLIPS, Howard, Manual de jogos educativos 140 jogos para professores e animadores de grupos, Moraes editores Psicologia e pedagogia http://jucienebertoldo.files.wordpress.com/2013/05/140-atividades-e-jogos-sobre-sexualidade-e-sc3a1ude.pdf

  • WORLD HEALTH ORGANISATION, Regional Office for Europe and BZgA (2010) - Standards for Sexuality Education in Europe - A framework for policy makers, educational and health authorities and specialists 

  • FORRETA, Fátima; MARQUES, António Manuel; VILAR Duarte (2002) Os afetos e a sexualidade na educação pré-escolar: um guia para educadores e formadores, Lisboa: Texto Editora. 

  • FORRETA, Fátima; MARQUES, António Manuel; VILAR Duarte (2002) Educação sexual no 1o ciclo: um guia para professores e formadores, Lisboa: Texto Editora. 

  •   FRADE, Alice [et al] (2003);Educação sexual na escola: guia para professores, formadores e educadores, Lisboa: Texto Editora, 2001, 4a ed.; 5a ed. 

  • FREITAS, Filomena; PEREIRA, Maria Manuela (2001) Educação sexual: contextos de sexualidade e adolescência, Lisboa: Edições ASA. 

  •   LOPEZ Sanchez (2005) La Educacion SexualF. Editorial Biblioteca Nueva.

  •   CAMACHO, Helena; SANTOS, Ana Cristina; e OGANDO Clara (2001); Adolescendo: educação da sexualidade na escola da teoria à prática; Lisboa: Didática Editora. 

  •   F., Amarú, LOPEZ Sanchez; Prevención de los abusos sexuales de menores e educación sexual, Ediciones 2000.page81image16416 page81image16576
  •   It’s All One Curriculum: Guidelines and Activities for a Unified Approach to Sexuality, Gender, HIV, and Human Rights Education. Population Council, New York, 2009. www.itsallone.org 

  •   CARPINTERO, Eugénio Prevenção de riscos associados ao comportamento sexual- gravidez não desejada, DST e SIDA, Edições APF. 

  •   VILAR, D. (2003) Falar disso: a educação sexual nas famílias de adolescentes, Edições Afrontamento, Lisboa. 

  •   BENASULIN, A.; VILAR, D.; PINTO, P.; GIL, S.; LAMEIRAS, S:; YASMINA, G. (2006) A Orquídea & O Beija-Flor - Sobrevoando as Questões Sexuais dos Jovens, Areal Editores 

  •   JOCELYNE, Robert; JO-ANNE, Jacob (2009) A minha sexualidade- até aos 6 anos, Porto Editora. 

  •   JOCELYNE, Robert; JO-ANNE, Jacob (2011) A minha sexualidade- dos 6 aos 9 anos, Porto Editora. 

  •   JOCELYNE, Robert; JO-ANNE, Jacob (2011) A minha sexualidade- dos 9 aos 13 anos, Porto Editora. 

  •   BANCROFT, J et al. (2003) Sexual development in childhood, Indiana University Press, Bloomington. 

  •   UNESCO (2009a). International technical guidance on sexuality education. Vol. I Rationale for sexuality education. Paris. http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001832/183281e.pdf.

  •   UNESCO (2009b). International technical guidance on sexuality education. Vol. II Topics and learning objectives. Paris.  http://data.unaids.org/pub/ExternalDocument/2009/20091210_international_guidance_sexuality_education_vol_2_en.pdf
  •   Saúde Sexual e Reprodutiva www.saudereprodutiva.dgs.pt/ 

  •   Programa Nacional para a Infeção VIH/SIDA http://pnvihsida.dgs.pt 

  •   International Planned Parenthood Federation www.ippf.org 

  •   The European Society of Contraception and Reproductive Health www.contraception-esc.com

  •   Aids Action Europe www.aidsactioneurope.org

  •   UNAIDS www.unaids.org 

Enviar um comentário