Relvas e Sócrates no país dos doutores

Henrique Raposo
Expresso on-line Sexta feira, 5 de abril de 2013
Nunca gozei com a licenciatura domingueira de Sócrates. Havia ali uma fragilidade muito portuguesa que travava o meu cinismo. Conheci muita gente com histórias mais ou menos parecidas. Gente que, apesar de ter mesmo uma licenciatura normalíssima, fez o percurso académico só por fazer, só para dizer que tinha um curso, só para ser doutor, só para receber cartas com o Dr. antes do nome. A utilidade económica (arranjar emprego) e a formação cívica e intelectual (a visão clássica da academia) não eram para ali chamadas. O que importava era o estatuto social do Dr., até porque a família exigia essa promoção social. Sócrates não era diferente destas pessoas. Ele apenas usou o seu estatuto para acelerar o processo. Passados anos, a história repetiu-se com Miguel Relvas. Tal como Sócrates, Relvas não teve coragem para dizer que a sua experiência já não requeria uma licenciatura.
Seja como for, com ou sem piedade por estas histórias a rebentar de portuguesismo, o certo é que os dois episódios deviam ter provocado demissões imediatas. Mas ficámos à espera. Sócrates ficou no mesmo sítio, insultou meio mundo e a universidade em causa acabou fechada. E, agora, tivemos de esperar um ano pela demissão de Relvas. Como dizia há dias, precisamos de uma troika institucional.
Mas - repito - estes casos dizem mais sobre a nossa snobeira do que sobre a nossa incapacidade instituticional. As pessoas que gozam sem parar com Relvas são as mesmas que criticariam Relvas caso este indivíduo tivesse demonstrado a coragem de John Major. Idem para Sócrates. Um John Major português (i.e., um político que assumisse a ausência de licenciatura) seria destruído logo à partida, porque a sociedade portuguesa coloca os títulos à frente do "trabalho vil e mecânico". Os corta-matos académicos de Relvas e Sócrates irritam meio mundo, porque esse meio mundo é parecidíssimo com Relvas e Sócrates. As sub-licenciaturas em questão são um espelho da sociedade. Somos, todos, mais parecidos com eles do que julgamos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?