Semana positiva

A semana que hoje acaba trouxe alguns sinais de esperança!
Há três dias, a assinatura do acordo de concertação social evidenciou que não é impossível um esforço nacional conjunto para resolver os graves problemas colectivos com que nos deparamos. Ângela Silva chama-lhe um Avanço histórico e André Macedo junta-o a outras iniciativas, para ele positivas que este Governo já tomou, apelando também para a maior reforma de todas: a reforma tributária.
Ontem, também, duas das propostas mais “fracturantes” de revisão da lei da Procriação Medicamente Assistida – PMA , que lhe alargam o seu âmbito à Maternidade de Substituição - vulgo, Barrigas de aluguer -  quase sem restrições, foram reprovadas na Assembleia da República. As propostas do PSD e do PS baixaram à comissão parlamentar respectiva.
Em qualquer destes casos os sinais positivos não conseguem, nem devem esconder as cosias que não estão bem.
João César das Neves chama-nos a atenção para mais uma das nossas idiossincrasias: o deslumbramento com o “progresso”, aqui exemplificado com a recente migração nacional para a TDT.
A saída da nossa difícil situação económica passa por aumentar as exportações, o que leva tempo, sobretudo com recursos limitados. Há, porém, recursos nacionais ilimitados a que se não dá a atenção devida.
Muito frequentemente, as razões que reduzem estes sucessos a poeira, consistem no facto cada vez mais frequente de os actuais políticos governarem para a opinião, reduzindo as suas opções a penas ao que traz resultados visíveis e imediatos a curto prazo.
Impressiona-me o testemunho vivo da Sofia Guedes que com a energia que todos os seus amigos conhecem e admiram luta com mais um pequeno grupo de amigos pela dignidade da vida humana, isto é, por todos nós. Que a frase com que o acaba tenha efeito em nós:
Aqui fica o meu grito de alerta: ACORDEM!
Um abraço com votos de bom fim de semana
Pedro Aguiar Pinto

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência