Brincadeiras "culturais"

Público 2012-01-21  Vasco Pulido Valente

Depois do "25 de Abril", a "cultura" foi erigida numa espécie de religião do regime ou, mais precisamente, da esquerda (embora, ao princípio, nem o PS incluísse). A Ditadura tivera a religião, o PREC tinha agora a "cultura". O artista e o "intelectual" passaram a opinar sobre o destino da Pátria e da civilização, com uma autoridade de origem suspeita mas reconhecível. Além disso, sabiam, como naquela altura ninguém sabia, falar na televisão e na rádio e escreviam nos jornais, como naquela altura ninguém escrevia, ou seja, com algum desembaraço e profissionalismo. O que lhes dava imediatamente um certo poder. Não lhes pediam credenciais, excepto partidárias, nem a sombra de uma qualificação académica. Existiam, porque se declaravam e a palavra deles bastava.

Mesmo quando a democracia acabou por prevalecer, em Lisboa (e um pouco no Porto) esta doença continuou durante anos. A "cultura" queria dinheiro em nome do seu próprio e discutível valor. E o Estado com uma certa relutância lá abriu a bolsa, embora com parcimónia, para calar a gritaria e também, é bom dizer, para fins de propaganda e prestígio. Aparece então, importada de França, a ideia mais do que peregrina da "indústria cultural", com a tropa fandanga que trabalhava ou se propunha trabalhar nela. A etiqueta cobria tudo e não deixava nada de fora. Infelizmente a realidade não acompanhou a excitação da ínfima e vaguíssima minoria que, para nosso mal, tomava isto a sério. Com o tempo a "cultura" começou a ser esquecida, do património ao cinema (com uma ou outra excepção), e caiu numa obscuridade merecida.

O pior é que entretanto a ilusão se estendeu à província. As câmaras arranjaram "vereadores culturais", com funções para lá da compreensão humana. Promoveram encontros, conferências, colóquios, simpósios, festivais. Convenceram o Estado a comprar os cineteatros de 1905 ou 1940, que se iam desfazendo serenamente em ruínas, para uma "produção nacional" imaginária ou pobre. E, se por acaso, não havia um cineteatro à mão, construíram de raiz, e por milhões de euros, centros culturais, centros multiusos, centros de arte, centros de música ou o que lhes passou pela realíssima cabeça. Hoje, esses melancólicos resultados da megalomania e do alfabetismo, com custos de manutenção a pagar, sem um vintém e sem futuro, começam a fechar. A crise veio de muitos milhares de histórias assim.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência