O “português”

D. NUNO BRÁS   VOZ DA VERDADE   13.11.16


Lisboa tem, desde o passado domingo, uma estátua de S. Nuno de Santa Maria numa das suas ruas.
S. Nuno é a figura que une o Portugal de Afonso Henriques e aquele das descobertas. D. Afonso Henriques sonhou com a independência de Portugal; foi um lutador infatigável na reconquista. Mas o Portugal de então dificilmente se poderia dizer uma unidade; dificilmente se poderia chamar uma “nação”.
Foi com D. Nuno Álvares Pereira que apareceu “o português”, esse homem que é um misto de destemido diante das dificuldades e profundamente crente – esse homem que encontra soluções quando tudo parece perdido, mas que se confia ternamente nas mãos de Nossa Senhora. Quando, em 1383, muitos e grandes vacilaram, atemorizados pela potência castelhana, ele não apenas persistiu no seu propósito de defender a independência nacional como foi capaz de mobilizar as vontades dos nobres e do povo. Com mestria, organizou a defesa e liderou as gentes portuguesas unidas até à vitória. Mas S. Nuno foi, ao mesmo tempo, um crente. Profundamente crente. Os seus frequentes jejuns; os tempos passados em oração diante da Eucaristia; as esmolas dadas pessoalmente aos pobres não são menos marcantes da sua vida que as características do líder militar e da sua personalidade política. A sua figura de homem que se agiganta nas dificuldades e que confia em Deus retrata-nos, de longe, muito melhor que o célebre “Zé Povinho”.
Como afirmou o Papa Bento XVI no dia da sua canonização, “São Nuno sente-se instrumento do desígnio superior de Deus e alistado na militia Christi, ou seja, no serviço de testemunho que cada cristão é chamado a dar no mundo. Características dele são uma intensa vida de oração e absoluta confiança no auxílio divino. Embora fosse um óptimo militar e um grande chefe, nunca deixou os dotes pessoais sobreporem-se à acção suprema que vem de Deus. São Nuno esforçava-se por não pôr obstáculos à acção de Deus na sua vida, imitando Nossa Senhora, de Quem era devotíssimo e a Quem atribuía publicamente as suas vitórias”.
Lisboa não tinha nos seus espaços públicos nada que evocasse a figura deste militar e santo. Talvez por ser santo. Felizmente o povo de Lisboa quis uma estátua de S. Nuno. Foi por fim prestado um tributo. Desde 1431 que ele estava por prestar.

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos