quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Louvado seja Deus

O meu pai achava muita graça quando o provável perdedor saía a ganhar. Tivemos uma experiência destas há precisamente 4 meses, quando a selecção portuguesa ganhou à França em casa, na final do Campeonato da Europa no dia 10 de Julho. Os franceses eram mais fortes, mais qualificados, jogavam num contexto mais favorável num estádio e envolvente de grande familiaridade. Mesmo assim, viram necessária uma jogada suja para aniquilar o maior asset do adversário para garantir o resultado. E mesmo asim, foram os 'pobres' portugueses, que levam a sua vida como 'porteiras, mulheres as dias, mecânicos...' que acabaram por festejar uma vitória imprevisível, mas justa. O choque foi de tal ordem que correu pelas redes sociais um movimento a reivindicar a repetição do jogo e de desafio às regras da FIFA. Mas as regras são e sempre foram assim. Na final, quem ganha o jogo, ganha o campeonato.

Esta comparação não me parece desadequada, porque nos dias de hoje, a política parece ter descido ao nível competitivo do futebol e o futebol parece ter subido à importância da política e da identidade nacional.  A campanha americana foi de tal maneira venenosa que, ou tomamos todos um antídoto ou vivemos na ressaca. 

Graças a Deus os dois candidatos parecem estar já no bom caminho, pelo que vimos dos seus discursos de vitória e de cedência. Sigamos o seu exemplo, porque por mais estátuas da liberdade envergonhadas que passeiem pelas redes sociais, não haverá maior sinal de que a Liberdade ainda existe nos Estados Unidos, do que a eleição do Trump. Apesar da caricatura horripilante que foi feita dele e dos seus apoiantes, os americanos escolheram-no debaixo do dedo apontado dos media e do mundo inteiro, enquanto os chamavam de burros e desprezíveis.



Dear Liberty, there is nothing to be ashamed of

É que os muros que o Trump ameaçou não são os únicos que existem, mas são os únicos que se vêem. É bom percebermos isto enquanto festejámos ontem o aniversário da queda do muro de Berlim. Dizia-nos o Evangelho na passada 2ª feira, "É inevitável que haja escândalos mais ai daquele que os provoca" (Lc 17, 1-6). Os media provocaram-nos e bem, e nós todos entrámos na euforia da partilha, e agora acordar é mais difícil pela divisão que todos salientámos e aumentámos. Usámos pedras para atirar uns aos outros e para construir muros de divisão, agora chegou momento de usá-las para construir pontes.

O meu pai adorava a imprevisibilidade, porque esta lembra-nos que não controlamos o que acontece e essa é a pedagogia de Jesus. A fecundidade do imprevisto reside na consciência que ganhamos de que somos de tal maneira necessitados que a única esperança que prevalece, não é a da vitória, mas a da Misericórdia. O pai como professor, gostava de aprender estas lições. As eleições americanas foram uma fantástica lição de proporções globais. Louvado seja Deus. 
Enviar um comentário