Lojas históricas, fãs histéricas

José Diogo Quintela | Correio da manhã | 09.04.2016 01:45 

Se estas lojas fecham, perde-se uma das maiores características portuguesas: a economia subsidiada pelo Estado. 

Em Lisboa há três tipos de lojas: as recentes, as antigas e as com história. As recentes são recentes, as antigas são antigas e as com história são falidas. A diferença entre uma loja antiga e uma com história é que a loja antiga vende produtos a clientes; a loja com história, não. Uma é parte activa da economia da cidade, a outra é património imaterial. Literalmente: não tem material que atraia clientes. Mas aguenta-se porque é "histórica" no sentido em que, historicamente em Portugal, todos desejam viver a expensas do Estado, que vai manter as rendas baixas. Às custas dos proprietários. A loja com história não tem clientes, tem fãs. Que, como se lembram de ter lá ido em criança, decretam que deve permanecer aberta. Na Baixa é costume ouvir: "Ai, que loja tão apetitosa! Vinha cá com a minha avó. Tem algum produto útil a preço acessível?" "Não. Mas tenho história." "Dê-me então 1,3 kg de história, por favor." Para conservar a memória deste tipo de serviço, a Câmara de Lisboa vai recongelar as rendas destas lojas. A CML quer preservar a personalidade própria das lojas falidas da Baixa. (Ao mesmo tempo que, com regulamentos que obrigam os toldos e esplanadas a serem todos iguais, não deixa que lojas que tentam ter lucro tenham personalidade própria). O objectivo é impedir que Lisboa fique igual a outras cidades que atraem turistas, descaracterizando-a. Se estas lojas fecham, perde-se uma das maiores características portuguesas: a economia subsidiada pelo Estado. Lisboa não pode ter as mesmas lojas de Londres, Paris e NY. Quem quer produtos de lojas que há em Paris ou NY dirija-se a Paris ou NY, que é o que fazem os lisboetas que gostam dos produtos que há em Paris e NY, desde que não haja em Lisboa. São Arnaldos Matos do gosto, educadores da classe consumidora. Se a loja tem brasões dourados, é kitsch e aldrabice histórica; se tem cadeiras desirmanadas e mobília manca, é kitsch irónico e vintage. Atenção, estes lisboetas não são contra o turismo. São contra certo tipo de turismo. Sim, os turistas gastam cá dinheiro (no ano passado, em transacções com multibanco, foram 4929 milhões), mas não são os turistas ideais. Se há um turista ideal, é isso mesmo: idealmente, um turista. Único. A gastar os mesmos 4929 milhões. Em Pasta Medicinal Couto. Comprada durante a semana, para não maçar os lisboetas que vão Sábado ao Chiado comer brunch, a refeição predilecta de quem não consegue decidir se gosta mais de pequeno-almoço ou de almoço, mas consegue decidir que tipo de lojas as outras pessoas devem frequentar. (Brunch, mas não no Pap’açorda. O Pap’açorda era um restaurante com história, mas traiu a causa ao mudar de sítio para continuar a ter sucesso comercial. A CML devia obrigá-lo a ficar onde estava, a embelezar o roteiro saudosista.) A mercearia/taberna da esquina Chamávamos-lhe "Sr. Pedro", pois o dono era o Sr. Pedro. Era uma tradicional mercearia/taberna, com o tradicional livro de fiado, a tradicional aldrabice no livro de fiado, os tradicionais víveres a granel, as tradicionais barricas de vinho, os tradicionais ébrios, o tradicional etc. Fechou há uns 25 anos. A causa foi o tradicional falecimento do merceeiro/taberneiro, pela tradicional velhice. Hoje é uma clínica de análises, frequentada pelos antigos ébrios, actuais idosos com maleitas de ébrios. O que é pena. Gostaria de passar por lá, não para comprar nada, que hoje há o Pingo Doce, mas para sentir a mesma nostalgia que sinto quando ouço a música do Dartacão. Tenho pena que há 25 anos não houvesse o Comité das Lojas com História, para embalsamar o Sr. Pedro e mantê-lo à porta da mercearia, como quando eu era menino. João Soares, o lutador Em 1989, João Soares, com Rui Gomes da Silva e Nogueira de Brito, sobreviveu a uma queda de avião em Angola. Goste-se ou não, é impossível não admirar alguém que resiste à provação extrema de andar de avião com Gomes da Silva. Dito isto, indignei-me com as bofetadas que JS ofereceu a dois colunistas. Se um ministro socialista oferece qualquer coisa, em princípio sou eu que pago. Mas percebo o objectivo: se o Governo deu 17 milhões aos taxistas por baterem em motoristas da Uber, JS achou que se batesse em alguém podiam aumentar-lhe o orçamento do Ministério. Ainda o "momento Marinha Grande" falhado de Soares Jr Agora que já não é ministro, espero que João Soares cumpra a promessa e se preste a aplicar as tais bofetadas. Será então, já fora do Governo, que prestará o seu melhor contributo à cultura portuguesa. Nomeadamente, ao cinema. É que a filmagem da bulha entre os três velhinhos será um êxito. Finalmente, o cinema português produzirá uma obra que agradará não só à crítica, mas também ao público. Como os idosos andam à pancada em câmara lenta, será o Matrix português. O Geriatrix. Por outro lado, agora tem mais tempo para se dedicar à literatura erótica.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos