Vivemos um tempo transitório

José António Saraiva | Sol | 18/04/2016

Há onze anos almocei com Pedro Santana Lopes em S. Bento. Ele era primeiro-ministro, e o país estava em polvorosa.
Vivia-se um ambiente malsão.
Marcelo Rebelo de Sousa acabara de sair da TVI, depois de críticas do ministro Rui Gomes da Silva ao facto de fazer análise política “sem contraditório”, e o Governo era acusado de lidar mal com a liberdade de opinião.
Quase ao mesmo tempo, José Rodrigues dos Santos era demitido de diretor de informação da RTP pelo ministro Morais Sarmento, e Fernando Lima era afastado da direção do Diário de Notícias.
Por outro lado, a descoordenação entre os ministros era grande, e alguns mostravam a sua falta de preparação.
A juntar a tudo isto, o primeiro-ministro tinha um problema, um pecado original: não fora legitimado nas urnas e sentia isso como uma fragilidade.
O período que vivemos nas duas últimas semanas lembrou-me subitamente aquele tempo.
Tal como Santana Lopes, António Costa não foi sufragado nas urnas - e é primeiro-ministro em consequência de acordos feitos no Parlamento.
Há muita agitação no ar.
Pressionado pelo PCP e pelo BE, o Governo tem vindo a reverter impiedosamente as medidas tomadas pelo anterior Governo, provocando a desconfiança dos credores europeus e das agências de rating.
O próprio presidente do BCE vem a Lisboa dizer: tenham cuidado, não percam a competitividade que ganharam nos últimos quatro anos.
Todos os dias são tomadas novas medidas que aumentam a despesa, sem se saber de onde virá o dinheiro; e os tímidos cortes que o ministro das Finanças vai tentando fazer voltam logo para trás, por pressão dos visados.
O consumo disparou e a balança comercial voltou a ser negativa - o que se traduzirá no crescimento da dívida externa.
Mas há mais. Umas semanas depois de se ter envolvido num caso polémico - a demissão do responsável do CCB sem razão aparente -, o ministro da Cultura demitiu-se após umas afirmações infelizes contra uns colunistas.
O chefe do Exército também se demitiu, em virtude de um inusitado pedido público de explicações por parte do ministro da Defesa.
O secretário de Estado da Juventude e Desporto seguiu o mesmo caminho, “em profundo desacordo com o modo de estar do ministro em cargos públicos”.
O primeiro-ministro parece andar sempre em campanha eleitoral, organizando cerimónias insólitas como aquela que encenou com os lesados do BES - em que o governador do Banco de Portugal foi colocado numa situação altamente vexatória - ou outra destinada a assinalar a reposição dos feriados.
No meio disto tudo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mantém uma atividade frenética, contribuindo para a ideia de que o país não vive tempos normais.
Temos, de facto, a sensação de viver um tempo transitório.
Um tempo em que o primeiro-ministro António Costa não é visto bem como primeiro-ministro - parecendo antes o líder da oposição, pois dedica mais tempo a atacar os adversários do que a defender o Governo.
E em que o líder da oposição Passos Coelho não é visto bem como líder da oposição - parecendo antes o primeiro-ministro, pois mantém uma postura criticada no seu próprio partido por não ser suficientemente agressiva.
Dir-se-ia estarmos num intermezzo: ‘Passos Coelho segue dentro de momentos’.
Foi primeiro-ministro durante quatro anos, está neste momento com o cargo suspenso, voltará a ser primeiro-ministro no futuro.
É uma espécie de ex-futuro primeiro-ministro.
Nesse almoço em S. Bento em 2005, Santana Lopes disse-me que queria ficar ali 10 anos e depois deixaria a política.
Pensei que ele estava completamente fora da realidade.
O Governo rebentava por todos lados e o primeiro-ministro falava em 10 anos no poder?
Claro que apenas durou uns curtos meses.
Agora, as demissões de João Soares e do CEME, a agitação na tropa, as polémicas do Governo com o governador do Banco de Portugal, os avisos de Bruxelas, o ambiente de campanha eleitoral - tudo isto me faz pensar que esta situação não vai durar muito.
Para Passos Coelho, porém, isso será péssimo.
O que interessa ao PSD é que o Governo dure o suficiente para que os eventuais maus resultados desta política se manifestem e fiquem à vista de toda a gente. 
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos