sábado, 16 de abril de 2016

Sou o que amo

José Luís Nunes Martins
RR 20160416

O que somos depende do que amamos. Só quem se dá aos outros se liberta do egoísmo. Ser é amar. Realizar-se na entrega de si ao outro.
O que sou não se limita ao que penso que sou, tão-pouco ao que penso que os outros julgam de mim. É mais. Sou também aquilo que recebo quando me esqueço de mim e me abro ao outro, e aquilo que fica de mim nos outros, quando a eles me dou...
Não sou apenas um aqui e agora. Sou também o que fui... e o que hei de ser.
Sou o que quero concretizar da minha essência, as sementes que decido regar de entre as que existem em mim.
A minha identidade faz-se dos muitos e pequenos passos que vou escolhendo dar... cada momento da vida é tão importante quanto insignificante.
Sofremos, por vezes, golpes fundos. O tempo nem os apaga nem os cura. São partes de nós, todas elas boas, porque são parte de nós. As tempestades, muitas vezes, aproximam-nos de quem nos quer bem... As dores fazem-nos família. Quando amo, e sou aceite, também sou no outro... e o outro, quando me ama e eu o aceito, também é em mim.
Sou um mistério que se constrói e revela... na certeza de que nunca sou nem mais, nem menos, do que o amor de que for capaz...
Sou o que amo.
Enviar um comentário