Perdoar-me

José Luís Nunes Martins
i-online 25 Maio 2013
Nem sempre as minhas ações estão de acordo com o que sou. Umas vezes pela vontade de impedir o bem; outras, pela de permitir o mal. Quase sempre por medo.
O principal dano das minhas culpas recai sobre mim mesmo, um vez que transgrido a mais essencial de todas as leis de que faço parte: o meu projeto íntimo de felicidade.
A culpa é um estado de dívida que visa ser saldado por uma pena que, justa, reponha o homem de novo a caminho do seu destino.
Porque o passado é, por essência, inalterável, sobra o tempo que se tem por diante. O arrependimento é a firme disposição de mudar o futuro para remissão da falta cometida.
Estamos condenados ao arrependimento, somos livres e erramos, e este sofrimento voluntário é a única forma de purificação realmente eficaz... Embora a culpa só desapareça com o perdão de todos os que prejudicámos... e a tentação do mal esteja sempre por perto, depois da penitência até mais do que antes...  mas também é verdade que, como o disse S. Catarina de Sena, "o mal é fraco porque só pode aquilo que eu lho permitir."
A coragem com que me disponho a redimir-me da culpa, que honestamente assumo, determina a minha paz, o meu valor... o que sou.
Há culpas maiores que outras, mas nenhuma se transpõe abanando-lhe os ramos, o que importa mesmo é arrancá-las pela raíz. Ainda que trema o chão que nos segura os pés.
Só eu sou causa da minha decadência e apenas eu me posso resgatar dela. Porque, afinal, só eu posso ser o herói da minha vida. Quando for capaz de, apesar do medo, me fazer maior que os meus erros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Se eu fosse filmado secretamente...

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência