domingo, 5 de junho de 2016

Ataque à tauromaquia

Carlos Anjos (Presidente da Comissão de Proteção de Vítimas de Crimes)
Correio da manhã 02.06.2016 18:04 

Confesso que nunca dei grande importância aos denominados 'anti-taurinos'. Sempre os entendi como gente demasiado pequena, com tiques ditatoriais e autoritários, que se arvoram numa alegada superioridade moral, que lhes permite dizer o que é bonito e feio, o que é normal e anti-normal, o que é correto e incorreto. Comer carne é feio, comer farrejo ou erva é bonito. Não tomar banho é giro, andar lavadinho é antiquado. Gostar de caça e pesca é muito feio, mas participar em raves, consumir droga e outros sucedâneos é giro e moderno. Bom, mas tudo isto é uma questão de gosto e apenas de gosto. E frise-se que não tenho nada a ver com os gostos dessas pessoas, que respeito, pese alguns desses gostos, como o consumo de Drogas, serem manifestamente ilegais e por isso contrários à lei. Apenas gostava que respeitasse os meus gostos também. Depois apelidam aqueles que gosta de touradas de serem ditadores e violentos. Ditadores não que nós respeitamos os gostos dos outros. Eles é que não respeitam os nossos. Quanto a violentos, a coisa ainda é mais gira. Há anos que somos ofendidos, ultrajados, quase diariamente. É ver os respeitosos e educados anti-taurinos junto da maioria das praças de toiros a manifestar-se ruidosamente contra as touradas e apelidar toureiros, forcados e público em geral com mimos como "Assassinos, Bárbaros, Atrasados Mentais, Loucos", entre outras gentis expressões. Nunca existiu uma única reação de um aficionado, e depois os violentos são os aficionados e as touradas podem levar a comportamentos desviantes. Junto ao Campo Pequeno já me chamaram assassino, quando eu apenas queria jantar. Ri-me e segui o meu caminho, optando por não dar troco a um jovem com um cartaz e um megafone na mão, que pulava de forma histérica, chamando nomes a todos os que passavam e que depois de desativar, foi com os colegas de espetáculo comer um hambúrguer, possivelmente de carne de toiro bravo a uma conhecida casa de hamburgers no Saldanha. Enorme coerência. Coerente também é querer negar o ensino da tauromaquia a jovens com menos de 18 anos. Confesso que até concordo. Mas antes vamos proibir também que em Portugal, nenhum jovem possa desenvolver nenhuma atividade profissional antes dessa idade. Que não possa aprender artes marciais, que não possa conduzir, que não possa praticar boxe, que não possa ser ator ou cantor, onde são brutalmente explorados, até pelos pais. Sejamos pois consequentes. Mas a posição do Bloco de Esquerda nesta matéria é ainda mais contraditória. Como pode um partido que defendeu recentemente a despenalização das drogas leves para menores de 16 anos, a completa autodeterminação sexual para todos os jovens, inclusive o direito de voto para maiores de 16 anos, exigir que para se ser toureiro, tenha de se ter 18 anos? É pura e simplesmente incompreensível. Então um jovem português passava a poder casar e ter filhos, fumar umas ganzas, tirar a carta, fazer um aborto se for mulher, entre muitas outras coisas, tudo aos 16 anos, mas para tourear um touro ou correr á frente de um touro numa largada, tinha de ter 18 anos. Haverá alguma coerência nesta posição? Como incompreensível é querer exigir o ensino obrigatório para aqueles que queiram ser toureiros. E Porque não essa exigência para todas as profissões! Porque é que um Campino, tem de ter mais habilitações literárias que um mecânico de automóveis ou um taxista? Por última a questão de a tauromaquia tonar ou poder levar as pessoas para comportamentos desviantes, nomeadamente violentos. Nem sequer vou perder muito tempo com esta questão. Faço uma pergunta; Quantos toureiros, forcados, bandarilheiros, campinos, empresários taurinos, entre outras pessoas que participam na "festa brava" estão ou foram presos por crimes violentos? A resposta é Zero!!! E quantos foram presos por outro tipo de crimes, inclusive económicos? A resposta continua a ser Zero!!! Quantos é que morreram em situações e condução de desastres de automóveis, por excesso de velocidade e consumo excessivo de drogas de qualquer tipo? A resposta continua a ser Zero!!! Quantos estão presos por crimes sexuais? Zero. Por último, quantos estão ou foram presos na última década? A resposta continua a ser Zero! E agora, quantos atores, músicos, advogados, polícias, médicos, apresentadores de televisão, políticos, magistrados, desportistas, empresários, professores é que foram presos por diversos tipos de crimes, inclusive violentos? Todos sabem a resposta. E depois é a tauromaquia que cria ou está na origem de comportamentos desviantes e violentos. Tenham juízo e sejam sérios. Se querem acabar com a Tauromaquia, tenham a coragem de o assumir frontalmente e não se escondam atrás de biombos, fazendo uma triste figura. Numa coisa os homens da tauromaquia têm; Coragem. Enfrentam tudo de caras. Destes opositores, apenas vemos cobardia, já que se pretende uma coisa e se ataca com outra, à traição. Nisto, não somos iguais. Somos diferentes e gostamos desta diferença. Felizmente, a maioria dos deputados que representam o povo, nesta matéria, parece também ser diferente e percebeu o alcance desta discussão pequena, num país atolado de problemas, e onde tanta gente passa fome. Atrevo-me a dar um conselho, sabendo que se os conselhos fossem bons não se davam, vendiam-se. Trabalhem em prol do povo e tentem apenas resolver as tremendas dificuldades que todos passamos. Deixem-se de invenções e de ver problema onde não existem. Nunca morreu, nem se aleijou uma criança a aprender a tourear, mas muitas aleijaram-se a trabalhar nas obras, a trabalhar em fábricas, na agricultura e acima de tudo, muitas passam fome todos os dias, não conseguindo fazer sequer duas refeições. Esses eram os problemas que estes senhores deviam conseguir resolver.
Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/opiniao/colunistas/carlosanjos/detalhe/ataqueatauromaquia.html
Enviar um comentário