segunda-feira, 27 de junho de 2016

O valor da pontualidade

José Luís Nunes Martins
RR online 2016.06.18
Se há virtude que pode ser representativa do valor de alguém é a pontualidade. 

Ser pontual começa no momento em que se define e assume, perante o outro e perante si mesmo, um compromisso que se há de cumprir, também por respeito, delicadeza e amor pelo outro.
Não importa ser uma vez pontual, importa ser pontual sempre. Essa constância é que determina parte do valor de alguém. O verdadeiro poder de cada um de nós não é a capacidade de levantar grandes tempestades, mas sim o dom de criar e alimentar brisas suaves e constantes.
Ser pontual é ser um ponto firme no meio de um terreno escorregadio. É ser mais livre do que os outros, porque se voa mais alto e, assim, se chega onde os demais apenas sonham chegar.
Ser pontual é cumprir o dever de ser senhor de si mesmo. Ponto por ponto. É ser exato nas ideias, nobre nos sentimentos e, mais importante, atento e cuidadoso nas ações. Sem outro motivo se não o de ser fiel... a si mesmo.
Cada momento é sempre o último. O tempo faz o seu trabalho sem nunca se repetir. Ou o assumimos e dominamos ou, julgando-nos livres, deixamo-nos ir... para onde não queremos... e depois queixamo-nos dos desatinos do nosso fado. É urgente viver, como deve ser. Segurando com determinação as rédeas do nosso destino. Não perdendo tempo. Não atrasando o dever. Sabendo esperar. Sem pressas, pois que são a maior razão dos atrasos.
Levantarmo-nos da cama à hora que tivermos escolhido na véspera é a melhor forma de começar o dia. Por respeito a nós mesmos. É excelente começar o dia com uma vitória! Uma boa nota que dará o tom à sinfonia de todo o dia!
Há quem adie a realização dos seus sonhos de cada vez que prefere dormir um pouco mais.
Afinal, que valor tem uma pessoa que, a si mesmo, diz uma coisa e faz outra?
Enviar um comentário