quinta-feira, 23 de junho de 2016

O empate triunfal

MIGUEL ESTEVES CARDOSO Público 22/06/2016

Viva a selecção portuguesa e a nossa infinita capacidade para o sofrimento!

Só há duas maneiras inteligentes de passar: com a nota mínima ou com a nota máxima. Ou com 9,5 valores ou com 20. Tudo no meio é excesso de esforço para muito pouca glória.
Portugal foi triunfal a empatar com a Hungria. Dois golos húngaros foram sortudos. Os três golos portugueses foram inequivocamente planeados e justos.
A selecção portuguesa teve um azar monumental, mas mesmo assim conseguiu passar. Mandou o azar dar uma volta. Sabendo que três é a conta que Deus fez jogou 3 vezes para ganhar 3 pontos e ficar em terceiro lugar.
Tenho para mim que um grande empate é preferível a uma vitória meramente merecida. É muito difícil empatar quando se está a perder. E Portugal esteve a perder três vezes. E três vezes, triunfalmente, empatou.
A selecção nunca deixou que os húngaros ficassem muito tempo a pensar que estavam a ganhar. Com uma pressa, precisão e uma capacidade de finalização que fez questão de esconder até agora, tratou de marcar os golos necessários à medida que os chatos dos húngaros iam elevando, desnecessariamente, o marcador.
A Portugal e a Cristiano Ronaldo convinha dar uma impressão de incapacidade de marcar golos, para mais bem enganar os nossos próximos adversários.
Os húngaros foram na fita e tentaram repetidamente ganhar a partida, forçando Portugal a mostrar o jogo. Os ingleses não estavam a gostar nada da ideia de jogar contra Portugal, mas a heróica Islândia safou a Inglaterra e agora serão os croatas a olhar para a força com que Portugal reage aos golos com que a ofendem e a sentirem-se mal servidos pela sorte.
Só a Áustria foi eliminada do nosso grupinho. Acabaram-se as brincadeiras. Já mostrámos que não precisámos da sorte para sermos apurados. Mas agora agradecíamos que o raio do azar, qual podengo esganado, nos largasse as pernas.
Viva a selecção portuguesa e a nossa infinita capacidade para o sofrimento!
Enviar um comentário