O lugar da adversativa

JOÃO MIGUEL TAVARES Público 22/03/2016

O que é isso de uma “república dos juízes”, eu não faço ideia, porque nunca vi nenhuma. Já um regime corrupto sei muito bem o que é, porque continuo a ver muitos.

Diz-me onde colocas o teu “mas” e eu dir-te-ei quem és. Um dos segredos para compreender as genuínas convicções de qualquer pessoa que fale sobre Lula da Silva ou José Sócrates está em detectar o lugar onde no seu discurso surge a conjunção adversativa “mas”. Como acontece em todas as situações extremadas com vastas zonas de cinzento, o “mas” aparece sempre. Qualquer pessoa admite que os comportamentos de Lula ou Sócrates são criticáveis, e qualquer pessoa admite que a justiça tem tido comportamentos discutíveis. A questão está no peso que cada um de nós atribui a uma coisa e a outra.
Não é, de todo, equivalente dizer: “A forma como os telefonemas de Lula foram divulgados pelo juiz Sérgio Moro é inadmissível, mas a aceitação por parte de Lula de um cargo de ministro de Estado é intolerável.” Ou dizer: “A aceitação por parte de Lula de um cargo de ministro de Estado é inadmissível, mas a forma como os seus telefonemas foram divulgados pelo juiz Sérgio Moro é intolerável.” Do mesmo modo, não é equivalente dizer: “As fugas ao segredo de justiça têm de ser esclarecidas, mas as suspeitas que recaem sobre José Sócrates são de uma gravidade extrema.” Ou dizer: “As suspeitas que recaem sobre José Sócrates têm de ser esclarecidas, mas as fugas ao segredo de justiça são de uma gravidade extrema.”
Em qualquer dos casos, o político, o jornalista ou o comentador está a exibir um pretenso equilíbrio argumentativo. Só que, visto ao pé da letra, ele é muito menos equilibrado do que finge parecer. A colocação da adversativa tem como efeito retórico automático a valorização argumentativa da segunda parte da frase – donde, é invariavelmente essa a posição que o político, o jornalista ou o comentador está mais interessado em defender. Mais importante do que saber como começa um texto ou um discurso é verificar como ele termina. Se o autor desse discurso acabar a protestar contra o estado da justiça em vez de protestar contra o estado da política, há uma escolha que foi feita, e certamente que ela não foi ingénua.   
Dir-me-ão: mas não é possível uma pessoa não tomar partido e estar igualmente horrorizada pela actuação dos políticos e da justiça? Possível, será. Mas é muito, muito difícil. A conjunção adversativa é muito sedutora, porque junta opostos, permite contrastes e promove uma certa imagem de equilíbrio do locutor, mas a sua neutralidade é apenas simulada e, quase sempre, falsa. O “mas” tem de ser colocado nalgum lado, e o lugar onde ele está acaba por clarificar as verdadeiras intenções (e as verdadeiras convicções) do dono do discurso.
No meu caso, essa opção está feita: ainda que haja abusos da justiça que me parecem inadmissíveis (a divulgação das conversas de Lula com o seu advogado ultrapassam aquilo que é aceitável num Estado de direito), eles não têm comparação com a gravidade do que está a ser posto a descoberto na Operação Lava Jato. Há quem (como o PCP e o Bloco) coloque a ideologia à frente da corrupção, dentro da lógica “ele é corrupto mas é o meu corrupto”. Dispenso essa visão, tal como dispenso o medo de uma qualquer “república dos juízes”, esse velho espantalho que é sempre erguido quando o statu quo entra em pânico. O que é isso de uma “república dos juízes”, eu não faço ideia, porque nunca vi nenhuma. Já um regime corrupto sei muito bem o que é, porque continuo a ver muitos. E contra isto não há mas, nem meio mas.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos