O tempo povo

João Taborda da Gama
RR on-line 25 Jan, 2016 - 16:37

Se Marcelo é o Presidente do povo, então do povo dependerá, e da sua relação com ele. O povo na sua diferença e diversidade bastar-se-á com os abraços e beijinhos? Que parte do povo alienará em cada pequena decisão, e que parte ganhará?

A vitória de Marcelo inicia um tempo novo em Portugal: um Presidente da República que retira a sua força directamente do povo e não o deve às tradicionais máquinas partidárias e elites iluminadas, mesmo que escondidas atrás de protocandidatos independentes ou de protocandidaturas cidadãs.
Por ser o verdadeiro tempo novo, um tempo verdadeiramente novo, ninguém sabe bem o que esperar.
Se Marcelo é o Presidente do povo, então do povo dependerá, e da sua relação com ele. O povo na sua diferença e diversidade bastar-se-á com os abraços e beijinhos? Que parte do povo alienará em cada pequena decisão, e que parte ganhará? Não esqueçamos que ontem à noite começou a operação #marcelo2021.
Depois, será interessante perceber como é que um novo Presidente joga com os poderes institucionais que são o esqueleto do Portugal democrático (as Forças Armadas, a igreja, a banca, a administração pública, as instituições europeias e internacionais, o empresariado, a academia, as outras instituições políticas, em especial o Tribunal Constitucional). Um Presidente mais livre é um Presidente menos institucional – e as instituições gostam de institucionalismos, como o nome indica.
Marcelo varreu de norte a sul, de este a oeste, continente e Madeira, cá dentro e lá fora. Nos Açores ganhou, ganhou mas perdeu. Ganhou porque obteve 58% dos votos, muito acima do resultado nacional e na Madeira. Mas perdeu porque nos Açores a abstenção foi de 69%. E com 69% de abstenção nenhum Presidente ganha. E talvez fosse bom começar justamente por aí este tempo novo, indo ao encontro daqueles que não foram ao encontro das urnas.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”