sábado, 23 de janeiro de 2016

O AMOR É A MORTE DA MORTE

José Luís Nunes Martins, Facebook, 2016.01.23
ilustração de Carlos Ribeiro

O que há depois da vida? Nada. A vida não tem depois. 

A morte é temporária. Há um afastamento no tempo e no espaço... o amor permanece, mas talvez mais profundo do que em qualquer outro momento. Não faz sentido que algo possa separar o encontro de duas almas.
Só o egoísmo pode matar de forma irreversível. Quem julga encontrar em si mesmo o porquê e o para quê da sua vida, tomando os outros como meros instrumentos da sua satisfação, abandona-se a si mesmo, quebrando todas as possibilidades de que o seu coração cumpra aquilo para que foi criado: amar. 
Quem não ama perde-se, para sempre. Consome-se numa tal ânsia devoradora que só encontra fim no vazio.
Que sentido pode ter esta vida sem uma verdade que ultrapasse os limites do tempo? Como posso eu justificar a minha existência? Sou um acaso? Onde estaria a consciência que lê estas linhas se esse acaso não tivesse acontecido? No nada? Como pode alguém julgar que toda a beleza e harmonia do mundo são resultado apenas de uma explosão caótica? 
Até que a morte nos separe? Não. Até que a morte nos leve para onde a plenitude do amor se pode cumprir. Enquanto neste mundo alguém amar alguém não faltará sentido para a vida... nem para a morte.
A sombra que a morte lança sobre a vida é sinal de uma luz perfeita que nos ilumina o caminho, nos aquece e nos promete que não há nada depois do amor... porque o amor não tem fim.
.
Enviar um comentário