Eleições


Ontem passei uma parte do dia a pensar nas eleições: o que significam, como se constrói uma decisão de escolha e, como acontece muitas vezes, as circunstâncias do dia foram de ajuda.
Começando pela leitura do dia, o 1º livro de Samuel relata a escolha de David (1 Sam 16, 1-13):«Não te impressiones com o seu belo aspeto, nem com a sua elevada estatura, porque não foi esse que Eu escolhi. Deus não vê como o homem: o homem olha às aparências, o Senhor vê o coração»
A escolha (a eleição) não deve depender das aparências. Não tendo a capacidade divina de ver o coração, resta-me usar a razão, ou seja, procurar tomar consciência da realidade do que está em causa na totalidade dos factores envolvidos.
A outra circunstância de ajuda nasceu de um post no Facebook! 
Um grupo de amigos está em peregrinação à Terra Santa. Um deles vai fotografando os lugares de peregrinação. Ontem comentava o lugar do Primado de Pedro. A eleição de Pedro (Jo 21, 15-17) "Apascenta as minhas ovelhas" é triplamente confirmada como que dizendo que não obstante a debilidade da tríplice negação é Pedro que Jesus Cristo escolhe.
Isto tem que querer dizer que as coisas que não me agradam não podem ser uma objecção exclusiva da escolha que me parece mais adequada.

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

O grande educador sexual

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos