Morreu o Padre Miguel Ponces de Carvalho


MIGUEL PONCES DE CARVALHO

Morreu o formador de estudantes católicos
Assistente religioso da Juventude Universitária Católica (JUC), ajudou a formar várias gerações de estudantes, entre as quais António Guterres, Roberto Carneiro, Pedro e Helena Roseta, Carlos Marques e José Leitão.  
José Pedro Castanheira Expresso, 18:55 Segunda feira, 31 de março de 2014

P. Miguel Ponces de Carvalho, nos anos setenta, quando era assistente da JUC


A Basílica da Estrela, em Lisboa, encheu-se para uma última homenagem ao padre Miguel Ponces de Carvalho, que foi assistente religioso da Juventude Universitária Católica durante os anos sessenta e setenta. Falecido no dia 29, a missa de corpo presente, realizada ao princípio da tarde de 30, foi presidida pelo patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.
Licenciado em Biologia, com estudos em Medicina, melómano apaixonado e pianista, ajudou a formar várias gerações de estudantes universitários católicos, entre os quais se incluiu o ex-primeiro-ministro António Guterres, os ex-ministros Roberto Carneiro (Educação), Pedro Roseta (Cultura) e Amílcar Teias (Ambiente), ou o ex-candidato presidencial da UDP, Carlos Marques. Privaram ainda com o "padre Miguel", como todos o conheciam e gostava de ser tratado, o ex-alto comissário para a imigração, José Leitão, o cirurgião Queirós e Melo, o ensaísta e professor Onésimo Teotónio Almeida, a ex-vereadora Helena Roseta e nomes ligados às tecnologias, como José Tribolet e Manuel Collares Pereira.
Nascido na Guiné (Bolama), em 1931, viveu ainda na Rodésia do Sul (atual Zimbabwe) e chegou a Portugal com 8 anos. Frequentou o Liceu Pedro Nunes, em Lisboa, e ingressou na Faculdade de Medicina, ao mesmo tempo que aderia à Juventude Universitária Católica (JUC). Não chegou a concluir o curso porque entretanto decidiu ingressar no Seminário dos Olivais. Foi ordenado sacerdote pelo cardeal D. Manuel Gonçalves Cerejeira, em 1958. Professor de Religião e Moral em vários estabelecimentos da capital, regressou à JUC, desta feita como adjunto do assistente diocesano, o padre Reis Rodrigues, futuro bispo auxiliar de Lisboa e um dos prelados mais influentes da igreja portuguesa.
Biólogo e pianista
Em 1964, participou no primeiro Curso de Cristandade, movimento que nunca mais deixou de acompanhar. Nomeado assistente adjunto do Corpo Nacional de Escutas, voltou à universidade para se licenciar em Biologia, após o que ensinou na faculdade de Ciências de Lisboa, na cadeira de História e Filosofia das Ciências. No 25 de Abril ainda estava na JUC e foi com manifesta felicidade que celebrou a queda da ditadura.
Homem extremamente culto, sempre atento ao diálogo entre a fé cristã e a ciência, cultivava o gosto pela música erudita e nunca deixou de ter um bom piano em casa, que fazia as suas delícias.
Em 1984, o cardeal patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro, nomeou-o pároco de Campolide, onde esteve 14 anos. Seguiu-se durante sete anos a paróquia de S. Mamede e, por fim, a paróquia de Lapa-Estrela. Foi já o cardeal patriarca D. José Policarpo quem o nomeou cónego.
Por convite do então ministro da Educação, Roberto Carneiro, criou e esteve à frente do Secretariado Entre Culturas. Projeto ambicioso de dinamização intercultural no âmbito das escolas portuguesas, foi muito elogiado pela UNESCO. Mais tarde, criou o "Religare", a designação da Estrutura de Missão para o Diálogo com as Religiões.
Padecendo de vários problemas conjugados de saúde, faleceu no sábado, 29, com 83 anos.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?