quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Voto Passos (e dou o corpo às balas)

Bernardo Capucho, Facebook 2015.09.22
Voto Passos (e dou o corpo às balas)
E porquê?
-Livrou-nos da bancarrota (por muito que digam que isso é um exagero. Não é.);
-Teve a coragem de aplicar um programa estupidamente austero que não era o dele mas que salvaria Portugal;
-Não cedeu a pressões despesistas nem a fortíssimos grupos de interesse instalados;
-Falhou em muita coisa, mas porque o objectivo final era a recuperação da credibilidade nos mercados (sim, porque precisaremos eternamente de ajuda externa) assumiu as falhas;
-Foi teimoso o suficiente para manter o barco da Governação, não desistindo aos primeiros desaires internos, mesmo que irrevogáveis, mostrando visão e capacidade de liderança;
-Porque acredito que quer mesmo o bem de Portugal.
Teve falhas no passado e no presente. Foi um “boy” das jotas. Nem sempre se rodeou bem. Não se lhe conhece ou reconhece grande percurso profissional. Acredito que cresceu e que já se deve ter arrependido de muita coisa. Não o esperava capaz mas foi. Surpreendeu-me.
Penei como Pai, como empresário, como cidadão. Percebi, como percebeu a grande maioria dos cidadãos -mesmo que muitos não o queiram assumir publicamente-, que o que sofremos estes últimos anos foi para “pagar” o passado e garantir um futuro melhor. Aprendemos da pior maneira mas sobretudo reaprendemos a estar atentos, críticos e a dar valor às coisas.
Todos conhecemos grandes nomes, grandes empresários, grandes empreendedores. Nenhum se “chega à frente” porque dá trabalho, dá chatice, vai ganhar menos ou seja o que for. Avancem. Ajudem. Contribuam.
Poupem-nos do descalabro Costa que foi número dois de Sócrates – o miserável despesista que nos afundou e ainda queria mais despesa pública e obras faraónicas;
Poupem-nos do descalabro Costa que correu de uma forma infame com o anterior líder do PS, mostrando-se capaz de tudo;
Poupem-nos do descalabro Costa que se prepara para se juntar à esquerda (sim, aos comunistas!) para desgovernar.
Quanto mais não seja, Passos merece governar nos próximos quatro anos pelos primeiros quatro em que não pode executar o seu programa. Daqui a quatro anos cá estaremos para avaliar se era mesmo capaz.
Pela amizade que tenho por todos os meus amigos, gente boa de todos os quadrantes políticos, não responderei aos comentários que livremente se dignarem escrever. Não é um debate que pretendo com este post, mas a partilha daquilo que acho melhor para Portugal hoje, Setembro de 2015, com os candidatos que se apresentam às Legislativas.
Decidam bem. Eu já estou decidido. Vou votar Passos. Vou votar Portugal à Frente.
Enviar um comentário