Precisa-se: Explicador de democracia para o PS

Maria João Marques
Observador 30/9/2015

Que o PS se prepara para truques palacianos de assalto ao poder, mesmo sem qualquer legitimidade democrática, é um dado adquirido. Tal como a claríssima veia antidemocrática de muita gente do PS.
Quando era criança, nos tempos antes da queda do Muro de Berlim, uma das minhas perplexidades de infância era o facto, relatado por pai e irmãos, de a Alemanha que se chamava República Democrática Alemã ser, afinal, não democrática. E de a Alemanha democrática não ter nada de democrático no nome.
Anos mais tarde convenci-me que este paradoxo toponomástico se devia ao cinismo comum dos regimes comunistas de colocar no nome o contrário da realidade nomeada. Mais ou menos como Sir Humphrey Appleby, da série Sim, Senhor Ministro aconselhava ao ministro Jim Hacker: quando nos queremos livrar de alguma política bem-sonante mas que desagrade aos desígnios do político, é colocá-la no título do documento que a institui e gastar o resto das linhas e páginas com outra coisa qualquer.
Só há poucos anos – e através de uma observação quase científica dos dirigentes do PS – percebi que há um conflito na definição de ‘democracia’ e de ‘democrático’ (já aqui elaborei sobre o assunto). Nas democracias tradicionais costuma-se considerar que a legitimidade dos governos vem dos votos obtidos em eleições livres e universais. É um raciocínio simples, que esperaríamos estar ao alcance até das almas socialistas (pelo menos António Costa tem espalhados pelo país cartazes dizendo ‘É o seu voto que decide’): quem tem mais votos ou quem elege mais representantes, governa. Tocqueville divagou até sobre a democracia como a ditadura da maioria.
Mas isso é para as democracias consolidadas, nada que obscureça o fino e apurado pensamento político dessas grandes mentes do PS, de Jorge Coelho a Porfírio Silva. Por cá não somos picuinhas com essa dos votos legitimarem (e os cartazes de Costa são só para enganar os tolos). Por cá a legitimidade para governar vem, qual Antigo Regime de Deus para o Rei, de alguma energia cósmica de alguma galáxia muito, muito distante para o PS.
Foi por isto que durante esta legislatura tivemos Mário Soares e a tropa fandanga que o rodeia (e os acenos concordantes e enternecidos de todo o PS) a apelar constantemente à violência popular contra o Governo e o Presidente da República democraticamente eleitos. Porque para Soares e tropa fandanga, a legitimidade para governar e presidir não vem dos votos. Vem da aprovação de uma espécie de Conselho dos Guardiães iraniano de socialistas, laicos e republicanos que concedem a sua aprovação a quem ganhou eleições. E quando essa aprovação se esvai, tais eminências esperam que Presidente demita a correr o governo que incorreu no desagrado dos donos da democracia. (Isto, claro, se o governo, que se quer temente aos Anciãos, não se demitir – como faria um governo decente – de imediato.) Como ao Presidente não há quem demita, é sugerir com sonsice à população que se lhe dê pancadaria se ousar sair dos seus aposentos. Só anda na rua quem o Conselho dos Guardiães socialistas, laicos e republicanos deixam. Que não haja aí algum espevitado que pense que pode usufruir do espaço público só porque paga impostos ou é cidadão nacional.
Neste sentido, que um governo de coligação tenha terminado o mandato foi um enorme passo para a normalização democrática. Que o tenha feito no meio da gritaria de Soares e tropa fandanga, ainda mais marcante torna o feito. A legitimidade para governar vem do voto, não vem dos anciãos do PS. Temos isto a agradecer a Cavaco Silva. (E lembremos que em 2004, para Sampaio, contou mais a manutenção do ascendente do do PS.)
Foi também pelo direito divino estelar do PS que nos últimos dias temos assistido às tendências ditatoriais de António Costa. Quando se aventou que a coligação poderia ter mais mandatos na AR do que o PS, tendo este mais votos, os socialistas logo clamaram que o que interessa é o número de votos. Quando as sondagens começaram a apresentar a coligação à frente do PS com distância razoável, algo mais surreal sucedeu. Costa fez saber que, ganhando ou perdendo as eleições, ele pretende governar.
Os eleitores que tenham paciência, mas o candidato Costa meteu na cabeça que é o homem providencial para salvar o país (que tenha aplaudido todas as políticas que faliram o país também é um mero detalhe, e quem liga a detalhes?), as eleições são um formalismo (enfim, as boas gentes do PS têm de suportar estes formalismos de vez em quando para fingirem ardor democrata), mas, vamos lá falar a sério, quem decide quem é o próximo primeiro-ministro é o capricho de António Costa. Oh caro eleitor, não levou a sério o cartaz do PS que contém a cara de António Costa e a tal frase ‘É o seu voto que decide’, pois não? Ou foi crédulo a esse ponto?
Que o PS se prepara para truques palacianos de assalto ao poder, eventualmente de acordo com a letra da lei mas sem qualquer legitimidade democrática, é um dado adquirido. Outro dado adquirido que temos de começar a esmiuçar é a claríssima veia antidemocrática de muita gente do PS. Se perderem as eleições não sei o que lhes recomende. Se cursos de ciência política se abstinência na escolha de líderes egomaníacos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Sou mãe de um forcado. E agora?