O PS não só saltou o muro, como se instalou no outro lado

Henrique Monteiro, Expresso, 2015.11.20

Sejamos claros: toda a gente foi a favor do 25 de Abril, menos um punhado de adeptos do antigo regime. Essa unanimidade baseou-se no facto de o programa do MFA ter uma abrangência de liberdade e diversidade que todos abarcava. Um ano e meio depois, no 25 de Novembro, o país estava dividido. Houve vencedores e perdedores. Curioso é o facto de o principal vencedor querer agora estar ao lado dos vencidos
O PS, ao tentar boicotar qualquer comemoração dos 40 anos da data que devolveu a democracia plena a Portugal, não só pondo fim às tentações hegemónicas e totalitárias do PCP como mantendo intactos os direitos de quem queria impor essa linha ao país, saltou definitivamente o muro e instalou-se do outro lado.
Ontem, na SIC Notícias, o que ouvi João Galamba dizer não se distingue substancialmente do que diria qualquer membro do PCP: “Prefiro festejar o 25 de Abril.” Galamba é novo, mas já tem idade para saber que sem o 25 de Novembro não festejaria este 25 de Abril das liberdades, da diversidade e do pluralismo, mas provavelmente um outro com paradas, pioneiros, bandeiras unicolores e coisas assim, acaso, pelo meio, não tivesse eclodido uma guerra civil, como esteve perto.
Isto é grave? Depende da perspetiva, mas a mim incomoda-me que PCP e Bloco afirmem não perder a sua identidade e possam votar contra a Nato no Parlamento Europeu. Mas levem o PS a renegar um feito que é seu, por medo de incomodar os seus aliados de momento. Mário Soares sempre falou desta data como a reposição da pureza original do 25 de Abril. E como Soares, assim se pronunciaram outros, de Eanes a Sá Carneiro, de Vasco Lourenço a Melo Antunes, passando pelos inúmeros militares, mais à esquerda ou mais à direita, que foram decisivos nesse dia.
Se não é por causa dos parceiros que o PS se esquiva ao 25 de Novembro, temos um caso mais grave: os socialistas mudaram de política e de desígnio. Renegar o 25 de Novembro é concordar com o caminho anterior: nacionalizações da banca, dos seguros, dos jornais, de tudo; unidades coletivas de produção agrícola depois de expulsos os seus legítimos proprietários; saneamentos selvagens nas empresas de todos os que não seguiam a linha política oficial do Governo e do PCP; ocupação de emissoras e de jornais que lhe fugiam ao controlo; barricadas nas ruas para controlar quem se queria manifestar contra o caminho que o país levava; cercos ao Parlamento e ao Governo contra as medidas ali democraticamente aprovadas. E muitos etc.
O 25 de Novembro não foi uma vingança. A prova é que os autores morais e materiais do que anteriormente acontecia mantiveram intacta a sua liberdade e a sua representatividade parlamentar. Participaram em todos os atos cívicos posteriores e integraram-se na democracia pluripartidária e sem tutela que a partir dessa data efetivamente se construiu. É bom recordar que foi um dos ‘golpistas’ do 25 de Novembro, Ernesto Melo Antunes, quem declarou que o PCP era indispensável à democracia. E que o fez sem a oposição de nenhum partido. Como é bom recordar que nas primeiras eleições, a 25 de abril de 1975, sob pleno ‘gonçalvismo’, alguns partidos (embora marginais) foram impedidos de concorrer.
Esta ideia de que o PS mudou de características sei que é vista como uma tese reacionária. Deixem, pois, que me socorra de alguém insuspeito: o ex-dirigente do Bloco de Esquerda João Semedo escreve hoje no ‘Público’ um texto, intitulado “António Costa e a esquerda: o que mudou?”, onde insiste no ponto de que a unidade era há muito desejada pelo Bloco -“só por fraca memória ou reserva mental se podem ignorar os múltiplos desafios lançados pelo Bloco de Esquerda ao PS”. Mais à frente, ao caracterizar a composição atual do Parlamento e a singularidade de o PS não fazer maioria com o CDS nem com o BE ou o PCP isoladamente, afirma preto no branco sobre a unidade à esquerda: “É uma atitude que rompe com a história do PS.” E, prudentemente, a meu ver, acrescenta: “É completamente inútil especular sobre as motivações de António Costa ou tentar adivinhar qual teria sido a decisão de António Costa se os votos tivessem sido outros.” Não são necessárias mais palavras.
Ou melhor, talvez mais umas, para referir que Francisco Louçã disse o óbvio (mas que foi importante ser ele a dizer) na RTP: que o acordo de esquerda devia ter sido assinado a três e que só não o foi porque o PCP não quis. Não há dúvida que o termo ‘geringonça’, cunhado por Vasco Pulido Valente, parece ser adequado. Sobretudo depois de o fundador do Bloco ter afirmado, com o seu modo tranquilo, que “Mário Centeno não deve ter lido os acordos do PS com os partidos de esquerda”.
Há uma maldição chinesa que reza assim: “Que possas viver tempos interessantes”.
Tenho ideia de que essa maldição se abateu sobre todos nós.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

OS JOVENS DE HOJE segundo Sócrates

Como se calculam os 40 dias de Quaresma?