Até quando as meias verdades na História recente de Portugal?

José Milhazes
Observador 22/11/2015

Não se vai assinalar o 40º aniversário do 25 de Novembro da mesma forma que se celebrou o do 25 de Abril. Cabe perguntar: porque quer o PS fazer-nos acreditar que o PCP é hoje diferente do de então?
Enquanto o 25 de Novembro não possuir o mesmo estatuto do que o 25 de Abril, andaremos a admitir a existência de meias verdades na História recente de Portugal. Se celebramos a queda de uma ditadura de direita, por que razão é que não fazemos o mesmo em relação à data em que foi travada a imposição de uma ditadura da extrema-esquerda?
Não há dúvida que a maioria dos portugueses devem muito ao movimento dos capitães de Abril, que entrou na História como uma forma exemplarmente pacífica de pôr fim a uma longa ditadura de direita, dando origem à construção da democracia no país. Mas também é verdade que alguns desses militares, apoiados por um grande leque de forças políticas, travou a queda de Portugal no precipício da ditadura comunista opondo-se a outros militares “de Abril”.
Livrámo-nos de uma ditadura e alguns de nós queriam meter-nos noutra (aqui emprego nós porque, naquela altura, eu estava do lado dos que queriam lançar Portugal numa perigosa experiência política e social). Só por isso, o 25 de Novembro merecia igual tratamento do 25 de Abril. Mas como há alguns que continuam a considerar que não é assim porque fascismo e comunismo são coisas diferentes, tendo este último regime um “carácter mais humano”, até “progressista”, coloco a pergunta: qual a ditadura comunista do século XX menos sanguinária do que o regime que caiu em Portugal com o 25 de Abril?
Podem acusar-me de querer rever a História de Portugal e aceito essa acusação se se considerar que é preciso pôr fim a esta e outras meias verdades, acabar com o “partidarismo” da História, conceito defendido pela extrema-esquerda comunista para deturpá-la e justificar as maiores barbaridades. Aqui deve apenas haver um critério: a verdade dos factos.
Outra das meias verdades é o papel do Partido Comunista Português na nossa História. Ninguém põe em dúvida que essa força política esteve na vanguarda da luta contra o Estado Novo, mas isto é apenas metade da verdade porque, como é sabido, esse partido sempre lutou e continua a lutar por uma sociedade totalitária e nunca se demarcou de muitas posições vergonhosas tomadas no passado. O PCP nunca condenou a existência do Muro de Berlim, mas lamentou e lamenta a sua queda; nunca levantou a voz contra os crimes internos e externos da URSS, mas lamentou e lamenta a sua queda, como se ainda existissem dúvidas acerca de qualquer regime totalitário de extrema-esquerda.
Por coincidências ideológicas, e também por dinheiro, o PCP e o seu dirigente máximo, Álvaro Cunhal, estavam dispostos a sacrificar Portugal em prol do imperialismo soviético. E por falar em Cunhal, o critério de análise da vida e obra deste homem não deve também ficar por meias verdades. Era um antifascista, um tradutor de Shakespeare e um escritor; mas, por outro lado, era um político demagogo, autoritário e narcisista. Não suportava ninguém que lhe fizesse sombra na direcção do PCP.
Mas tudo isso poderia ser tema de discussão apenas para historiadores, não fosse a importância de alguns factos no momento actual. E o mais importante é que não se vai assinalar o 40º aniversário do 25 de Novembro da mesma forma que se celebrou o 40º aniversário do 25 de Abril. Porque será que o Partido Socialista acredita, ou quer-nos fazer acreditar, que o actual PCP é diferente, embora saibamos que os comunistas nunca reconheceram erros na sua política durante o PREC e viram no 25 de Novembro o início de uma contra-ofensiva contra as “conquistas de Abril”?
Não duvido que haja oportunismo da parte do PSD e do CDS-PP quando pretendem assinalar agora o 25 de Novembro — afinal podiam ter acordado mais cedo. Mas considero que, também da parte do PS, nem tudo é claro e transparente. A proximidade do poder parece cegar os políticos.
P.S.: Se em Lisboa existe uma Avenida Álvaro Cunhal, deveria também haver outra com o nome do dirigente soviético Leonid Brejnev, pois foi ele que mandou parar “a transformação da revolução burguesa em revolução proletária”.
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Sou mãe de um forcado. E agora?

Suécia persegue parteiras que se negam a praticar abortos

Gomes-Pedro: “A mãe não precisa de descansar e dormir, precisa é de namorar com o seu bebé”