A chatice de ser criança

Inês Teotónio Pereira | ionline 2014.05.31
As crianças de hoje não têm tempo, não têm liberdade e não têm crianças com quem brincar - os irmãos são um bem escasso
Como é ser criança nos dias de hoje? É acima de tudo uma enorme seca. É de tal maneira uma seca que as crianças até precisam de um dia só para elas para nos lembrarmos que são apenas crianças. E a questão não está nos direitos delas - os direitos da criança 55 anos depois de terem sido consagrados pelas Nações Unidas estão muito bem enraizados e protegidos, pelo menos na sociedade ocidental. A questão está em não se permitir que as crianças gozem do facto de serem crianças. Nós teimamos em olhar para as nossas crianças como pequenos adultos e isso dá cabo da vida delas.
As crianças não são como nós. São irresponsáveis, amorais, irrequietas, inconscientes, caprichosas, animadas, em evolução constante a todos os níveis e muito, muito criativas. Depois crescem e ficam assim como nós: responsáveis, moles, conscientes, conformados, sérios, preocupados, sábios e muito, muito pouco imaginativos. Tornam-se burgueses, vá. Mas enquanto não crescem são seres totalmente diferentes. E é por serem completamente diferentes de nós que deviam ter uma vida completamente diferente da nossa. Só que as nossas crianças não têm esse privilégio. Têm muitos direitos, é certo, mas têm uma vida tão chata como a nossa ou mais - nós, pelo menos, somos remunerados pelo nosso trabalho, já eles estudam de graça. As nossas crianças têm tantos direitos e tanta protecção que demos cabo da liberdade delas.
Senão vejamos. As crianças, tal como nós, não sobem às árvores, não brincam na rua, não têm tempo para fazer nada e passam os dias a trabalhar, na ginástica, na natação, etc., vêem televisão fora de horas e os mesmos programas que nós, jogam aos mesmos jogos de consola que os pais, têm a mesma vida social dos pais, andam as mesmas horas de carro que nós, também deliram com tablets ou smartphones, deitam-se à mesma hora, têm o mesmo poder de decisão que nós no que diz respeito a gostos e a quereres, têm objectivos a cumprir desde que metem o pé numa creche e vivem rodeados de adultos em casa. A grande diferença é que nós pagamos as contas e eles não, de resto é quase tudo igual.
As crianças de hoje não têm tempo, não têm liberdade e não têm crianças com quem brincar - os irmãos são um bem escasso. As nossas crianças têm o poder que não deviam ter e não podem fazer aquilo que deviam fazer. Podem bater o pé porque não gostam de espinafres, têm o direito de mandar nos pais, têm a opção de ficar horas a jogar playstation a jogos que dão pesadelos. Por outro lado, não podem ir comprar pão sozinhas, não podem ir de autocarro para a escola e não podem subir às árvores - até os cães vão mais vezes à rua fazer as necessidades do que as crianças vão à rua brincar. Elas também não podem estar sem fazer nada e só podem brincar com brinquedos certificados pelas directivas europeias. A loucura é tal que nem sequer podem soprar balões: uma das normas que regulamentam a segurança dos brinquedos determina que há o risco de as crianças engolirem os balões por isso estão proibidas de os encher.
O Dia da Criança devia chamar-se dia da liberdade infantil. Liberdade de errar para crescer, de brincar para aprender, de respeitar para saber cumprir, de ter regras para aprenderem a exercer os seus direitos, de fazer asneiras para distinguirem o que está certo, de não serem consideradas hiperactivas porque são insuportáveis e até a elementar liberdade de encherem balões. Temos, portanto, um longo caminho por percorrer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

16 de Julho - Nossa Senhora do Carmo

A família, espaço de resistência

Se eu fosse filmado secretamente...